sicnot

Perfil

Mundo

Defesa dos 17 ativistas angolanos quer processar juiz por negligência

A defesa dos 17 ativistas angolanos quer processar o juiz Januário Domingos, do Tribunal de Luanda, por negligência pela forma como conduziu o processo que levou à condenação, por rebelião e associação criminosa, do cidadão luso-brasileiro Luaty Beirão e dos restantes 16 ativistas.

(SIC/Arquivo)

A posição foi transmitida hoje à agência Lusa pelo advogado de defesa David Mendes, após análise detalhada do acórdão do Tribunal Supremo sobre a providência de habeas corpus que permitiu a libertação dos ativistas, a 29 de junho, ao fim de três meses a cumprir pena por rebelião e associação de malfeitores.

"Vamos enveredar por um processo contra o juiz da 14.ª Secção, tendo em conta o acórdão do Tribunal Supremo, que reconhece que o juiz agiu contra as regras em matéria de habeas corpus. Eles estiveram presos durante três meses por negligência do juiz", disse o advogado.

"Vamos acionar os mecanismos legais para que o juiz seja processado e o Estado condenado", acrescentou o também dirigente da associação de defesa dos direitos humanos "Mãos Livres".

O Tribunal Supremo angolano critica duramente o juiz Januário Domingos, responsável pelo julgamento que condenou os 17 ativistas angolanos até oito anos e meio de prisão, acusando-o de ter contribuído para os meses de prisão destes jovens.

A posição surge no acórdão sobre o habeas corpus apresentado pela defesa dos ativistas a 1 de abril, pedindo a libertação, mas que só a 24 de junho chegou ao Supremo para análise e que ordenou a libertação dos 17 jovens, que já estavam a cumprir pena desde o final de março, apesar dos recursos interpostos pelos advogados.

Angola, como o próprio Supremo reconhece neste acórdão, a que a Lusa teve acesso, não tem regulamentação própria para as providências de habeas corpus. Embora dirigidos ao presidente do Tribunal Supremo, o mesmo pedido têm de dar entrada no tribunal de primeira instância e são depois enviadas para o tribunal competente.

Contudo, neste caso e com os 17 ativistas, incluindo o rapper luso-angolano Luaty Beirão, já a cumprirem pena, o juiz da causa, conforme acusação dos advogados que a Lusa noticiou em junho, "reteve" a providência durante 20 dias, tendo enviado o expediente para o Tribunal Constitucional (que analisa um dos recursos da condenação) e não para o Supremo.

"Não se justifica tal conduta incauta do juiz, porquanto em tempo oportuno o Tribunal Supremo baixou instrutivos orientadores para a tramitação das providências de habeas corpus (...) Por conseguinte, julgamos que o juiz estava apetrechado com ferramentas suficientes para dar andamento célere ao expediente", lê-se no acórdão, que também colocou em liberdade os ativistas.

Acrescentam os juízes do Supremo que é necessária "uma veemente chamada de atenção ao M.º juiz da causa". Isto porque "de forma estouvada, mandou juntar o expediente no processo principal, provocando uma demora de quase três meses para que a providência de habeas corpus desse entrada nesta suprema instância, onde só chegou no dia 24 de junho de 2016, vinda do Tribunal Constitucional".

"Como se não bastasse, perante os clamores dos requerentes e da própria opinião pública, o M.º juiz não se dignou informar à câmara [criminal, do Supremo] o paradeiro do habeas corpus, que só ele sabia tê-lo remetido ao Tribunal Constitucional", critica ainda o Supremo.

O tribunal vai ainda mais longe, ao solicitar uma investigação ao comportamento do juiz Januário Domingos: "Este facto deve ser comunicado imediatamente ao Conselho Superior da Magistratura Judicial, para que sejam desencadeados procedimentos em conformidade".

Com Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.