sicnot

Perfil

Mundo

Defesa dos 17 ativistas angolanos quer processar juiz por negligência

A defesa dos 17 ativistas angolanos quer processar o juiz Januário Domingos, do Tribunal de Luanda, por negligência pela forma como conduziu o processo que levou à condenação, por rebelião e associação criminosa, do cidadão luso-brasileiro Luaty Beirão e dos restantes 16 ativistas.

(SIC/Arquivo)

A posição foi transmitida hoje à agência Lusa pelo advogado de defesa David Mendes, após análise detalhada do acórdão do Tribunal Supremo sobre a providência de habeas corpus que permitiu a libertação dos ativistas, a 29 de junho, ao fim de três meses a cumprir pena por rebelião e associação de malfeitores.

"Vamos enveredar por um processo contra o juiz da 14.ª Secção, tendo em conta o acórdão do Tribunal Supremo, que reconhece que o juiz agiu contra as regras em matéria de habeas corpus. Eles estiveram presos durante três meses por negligência do juiz", disse o advogado.

"Vamos acionar os mecanismos legais para que o juiz seja processado e o Estado condenado", acrescentou o também dirigente da associação de defesa dos direitos humanos "Mãos Livres".

O Tribunal Supremo angolano critica duramente o juiz Januário Domingos, responsável pelo julgamento que condenou os 17 ativistas angolanos até oito anos e meio de prisão, acusando-o de ter contribuído para os meses de prisão destes jovens.

A posição surge no acórdão sobre o habeas corpus apresentado pela defesa dos ativistas a 1 de abril, pedindo a libertação, mas que só a 24 de junho chegou ao Supremo para análise e que ordenou a libertação dos 17 jovens, que já estavam a cumprir pena desde o final de março, apesar dos recursos interpostos pelos advogados.

Angola, como o próprio Supremo reconhece neste acórdão, a que a Lusa teve acesso, não tem regulamentação própria para as providências de habeas corpus. Embora dirigidos ao presidente do Tribunal Supremo, o mesmo pedido têm de dar entrada no tribunal de primeira instância e são depois enviadas para o tribunal competente.

Contudo, neste caso e com os 17 ativistas, incluindo o rapper luso-angolano Luaty Beirão, já a cumprirem pena, o juiz da causa, conforme acusação dos advogados que a Lusa noticiou em junho, "reteve" a providência durante 20 dias, tendo enviado o expediente para o Tribunal Constitucional (que analisa um dos recursos da condenação) e não para o Supremo.

"Não se justifica tal conduta incauta do juiz, porquanto em tempo oportuno o Tribunal Supremo baixou instrutivos orientadores para a tramitação das providências de habeas corpus (...) Por conseguinte, julgamos que o juiz estava apetrechado com ferramentas suficientes para dar andamento célere ao expediente", lê-se no acórdão, que também colocou em liberdade os ativistas.

Acrescentam os juízes do Supremo que é necessária "uma veemente chamada de atenção ao M.º juiz da causa". Isto porque "de forma estouvada, mandou juntar o expediente no processo principal, provocando uma demora de quase três meses para que a providência de habeas corpus desse entrada nesta suprema instância, onde só chegou no dia 24 de junho de 2016, vinda do Tribunal Constitucional".

"Como se não bastasse, perante os clamores dos requerentes e da própria opinião pública, o M.º juiz não se dignou informar à câmara [criminal, do Supremo] o paradeiro do habeas corpus, que só ele sabia tê-lo remetido ao Tribunal Constitucional", critica ainda o Supremo.

O tribunal vai ainda mais longe, ao solicitar uma investigação ao comportamento do juiz Januário Domingos: "Este facto deve ser comunicado imediatamente ao Conselho Superior da Magistratura Judicial, para que sejam desencadeados procedimentos em conformidade".

Com Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC