sicnot

Perfil

Mundo

Obama garante que "justiça será feita" na morte de polícias em Dallas

O Presidente norte-americano, Barack Obama, garantiu hoje, em Varsóvia, que "será feita Justiça" no caso do homicídio de cinco polícias, em Dallas (Texas, EUA), durante uma manifestação contra a violência policial.

© Jonathan Ernst / Reuters

À margem de um encontro entre os líderes da União Europeia (UE) e dos Estados Unidos, Obama afirmou desconhecerem-se ainda "todos os factos", mas sabe-se que foi um "ataque horrendo, calculado e desprezível contra as forças de segurança".

Citando informações da polícia, Obama avançou existirem "vários suspeitos", decorrendo trabalho das forças de segurança, incluindo o FBI, para investigar todos os suspeitos e "Justiça será feita".

"Por agora vou dizer apenas, o que já disse ontem, a nossa polícia tem um trabalho difícil e a vasta maioria faz o seu trabalho numa forma fantástica" quando velam pela segurança, disse Obama, acrescentando "não haver justificação possível para estas ações ou qualquer violência contra forças de segurança".

Obama sublinhou que a morte dos agentes aconteceu enquanto cumpriam as suas funções, numa manifestação pacífica.

Além das cinco mortes, o tiroteio causou vários feridos, alguns em estado grave, segundo Obama

Um suspeito da morte de cinco polícias durante um protesto contra a violência policial esta noite em Dallas, morreu depois de passar mais de uma hora entrincheirado num estacionamento, segundo uma televisão local.

Enquanto discutia com os negociadores da polícia, o suspeito continuou a disparar, ameaçando-os com a garantia de que o fim estava próximo e assegurando que havia bombas no parque de estacionamento e em outros locais da cidade.

A polícia de Dallas mantém em custódia três pessoas, incluindo uma mulher que foi detida no parque de estacionamento e outros dois homens que circulavam numa autoestrada.

De acordo com a mesma cadeia de televisão que noticiou a morte do suspeito, a NBCDFW, citada pela agência espanhola Efe, a polícia mantém isolada uma vasta zona do centro da cidade de Dallas e os sapadores da polícia investigam dois embrulhos suspeitos de conterem explosivos.

Lusa

  • Cinco agentes mortos em manifestação contra violência policial nos EUA
    0:38

    Mundo

    O suspeito de ter participado no tiroteio desta manhã que vitimou cinco polícias em Dallas, nos Estado Unidos, e que estava cercado pelas autoridades terá morrido. A informação foi avançada pela imprensa local que diz que o homem se suicidou, depois de horas de trocas de tiros com a polícia. Cinco agentes foram mortos durante uma manifestação contra a violência policial.

  • Seis mortos em Dallas, incluindo cinco polícias vítimas de tiroteio

    Mundo

    Cinco polícias foram mortos esta noite em Dallas, nos Estados Unidos, durante uma manifestação contra a violência policial. Pelo menos dois atiradores balearam 11 agentes da polícia. Três pessoas foram detidas, uma que estava cercada pelas autoridades acabou por disparar sobre si própria, de acordo com as últimas informações. O balanço de mortos sobre assim para seis.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.