sicnot

Perfil

Mundo

Autor de massacre de Dallas deixou exército dos EUA após acusação de abuso sexual

O autor do massacre de cinco polícias na quinta-feira em Dallas, no Texas, havia deixado o exército após ter sido acusado de abuso sexual e aconselhado a receber ajuda psiquiátrica, revela hoje o "New York Times".

Tony Gutierrez

O soldado pediu em 2014 uma ordem de proteção e o exército iniciou um processo para conceder baixa a Micah Xavier Johnson, indicou ao jornal Bradford Glendening, advogado militar designado para o representar.

"Não gostavam dele, isso ficou bem claro ao falar com o seu comandante", disse o advogado.

Seguindo o conselho do seu mandatário, Johnson renunciou ao direito de ter uma audiência e recebeu baixa do exército em abril de 2015.

Então, Johnson, de 25 anos, regressou do Afeganistão e foi para Dallas, onde começou a interessar-se por organizações e grupos afro-americanos com tendências racistas, segundo relata o mesmo jornal.

O jovem perpetrou o massacre com o objetivo deliberado de "matar pessoas brancas, especialmente agentes da polícia brancos", por estar indignado com a morte de negros causada pela intervenção de polícias brancos, explicou na sexta-feira o chefe da polícia de Dallas, David Brown.

Isso foi o que o agressor disse aos negociadores durante a ocorrência, antes de morrer devido à explosão de uma bomba que a polícia enviou, através de um robot, até ao estacionamento em que se encontrava entrincheirado. O recurso a esta tecnologia não é habitual fora das zonas de guerra.

Segundo os dados mais recentes da investigação, o suspeito tinha em sua casa material para fabricar bombas, coletes anti-bala, espingardas, munições e um diário pessoal sobre táticas de combate.

Fontes do Pentágono dissseram à agência EFE que Johnson esteve destacado entre novembro de 2013 e julho de 2014 no Afeganistão com o exército dos Estados Unidos e que entre março de 2009 e abril de 2015 integrou a reserva como especialista em serviços de carpintaria e alvenaria.

O massacre na quinta-feira, que comoveu o país, provocou também nove feridos, dois civis e sete polícias.

Lusa

  • Milhares participam em marchas contra a violência nos EUA
    1:40

    Mundo

    Nos Estados Unidos continuam as ondas de choque depois do ataque de ontem em Dallas. Milhares de pessoas participaram em várias marchas contra a violência que resultaram em mais confrontos com a polícia e até Donald Trump comentou o assunto com mais contenção do que é habitual.

  • Mensagem de Donald Trump surpreende... pela positiva
    0:56

    Mundo

    Depois de ter emitido um comunicado, Donald Trump reagiu ao ataque de ontem em Dallas num vídeo partilhado no Facebook. O candidato republicano à Casa Branca apelou à solidariedade da população com as autoridades e considerou que ainda há muito trabalho a fazer para que os americanos voltem a sentir-se seguros, numa mensagem que surpreendeu nas redes sociais, por não ter sido polémica.

  • 10 Minutos com Ana Catarina Mendes
    10:28

    10 Minutos

    A secretária geral adjunta do PS diz que não percebe porque é que o PSD levou tanto tempo a escolher o candidato à Câmara de Lisboa. Em entrevista no 10 Minutos da SIC Noticias, Ana Catarina Mendes considerou ainda que Pedro Passos Coelho não tem estado à altura de um líder da oposição. Quanto às legislativas, entende que o PS deve concorrer sozinho às eleições.

    Entrevista na íntegra

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.