sicnot

Perfil

Mundo

NATO diz estar "unida" em política de dissuasão face a Moscovo

Os líderes da NATO uniram-se hoje numa política de dissuasão e diálogo com a Rússia após terem efetuado as maiores movimentações militares desde o fim da guerra fria com o regime de Moscovo.

© Jonathan Ernst / Reuters

O secretário-geral Jens Stoltenberg afirmou na reunião de Varsóvia que os países membros da NATO "mantêm-se unidos" e focalizados na Rússia, após a anexação da Crimeia pelos russos e o conflito na Ucrânia.

O presidente russo, Vladimir Putin, opôs-se à decisão da NATO de colocar quatro batalhões na Polónia e nos Estados bálticos, considerando que tais intenções uma ameaça à segurança.

"A Aliança Atlântica está unida, mantemo-nos juntos", disse Stolberg, quando questionado sobre as conversações dos 28 líderes dos países da NATO com a Rússia na sexta-feira à noite e reiterando que defesa e diálogo são a base de tudo.

Stoltenberg anunciou esta semana que a NATO encetará novas conversações com a Rússia na quarta-feira, num gesto de abertura e boa-fé do Ocidente.

O presidente francês, François Hollande, ofereceu contudo mais do que um ramo de oliveira a Moscovo, ao dizer na sexta-feira que a Rússia não é um adversário, nem uma ameaça, mas um parceiro.

Questionado sobre se concorda com Hollande, Stoltenberg referiu que não existe uma "ameaça iminente" a nenhum membro da NATO, acrescentando: A Rússia não é um parceiro estratégico (...) mas também não estamos numa situação de guerra fria".

Os líderes da NATO reunidos em Varsóvia irão discutir hoje a questão da Ucrânia com o presidente Petro Poroshenko.

Estados Unidos e União Europeia impuseram ambos sanções a Moscovo após a crise na Ucrânia, mas na Europa aumentam os pedidos para levantamento de tais sanções.

França e Alemanha, que possuem fortes relações políticas e económicas com a Rússia, desempenharam um papel importante nos esforços para resolver o conflito na Ucrânia, ajudando nos acordos de cessar-fogo de Minsk.

A decisão inédita da NATO de colocar milhares de soldados no terreno ajudou a combater o ceticismo de alguns líderes na região, com a presidente lituana Dalia Grybauskaite, muito crítica de Putin, a defender que uma NATO forte favorece o diálogo com a Rússia.

Enquanto os líderes da NATO se reúnem em Varsóvia, que foi berço do Pacto de Varsóvia durante a guerra fria com o Ocidente, Putin opõe-se à expansão da NATO para antigos países-satélite da era soviética, interpretando isso como um cerco do Ocidente à Russia.

A Russia é também muito crítica na questão dos mísseis balísticos de defesa que os Estados Unidos implementaram face à ameaça do Irão no Médio Oriente, e que foi declarado operacional.

Os líderes da NATO anunciaram ainda planos para reforçar a segurança no Afeganistão até 2020 e para combater os talibãs que estão a colocar o Governo de Cabul sob enorme pressão.

Stoltenberg disse que a NATO manterá tropas no Afeganistão até 2017, sem adiantar datas para o fim da participação e ajuda militar naquele país, iniciada em 2001.

Os 28 países da NATO voltarão a analisar a situação no Afeganistão no próximo ano, indicou.

Lusa

  • Enfermeiros dizem que suplemento de 150 € não é suficiente para acordo
    0:57

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros diz que há um avanço nas negociações com o Governo. Esta terça-feira à tarde, uma delegação do Ministério das Finanças esteve numa reunião que decorreu no Ministério da Saúde. Apesar disso, o presidente do sindicato, José Azevedo, explicou à SIC que a proposta do executivo de pagar mais 150 euros aos enfermeiros especializados não é suficiente para chegarem a acordo.

  • Guterres condena onda de violência em Myanmar
    0:43
  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC