sicnot

Perfil

Mundo

Combates na capital do Sudão do Sul intensificam-se

Os combates entre forças sul-sudanesas e ex-rebeldes intensificaram-se hoje em Juba e estenderam-se a várias bairros da capital e às imediações do aeroporto internacional, dois dias após confrontos que fizeram mais de 150 mortos.

Jason Patinkin

A ONU indicou que houve disparos de morteiro e de lança-granadas. Foi também assinalada a presença de helicópteros de combate, de tanques e muitos habitantes da cidade tiveram de esconder-se em casa ou de fugir, de acordo com testemunhas.

"A situação deteriorou-se consideravelmente em Juba", advertiu a embaixada dos Estados Unidos, aconselhando os norte-americanos a permanecerem em casa.

"Estão a decorrer intensos combates entre forças governamentais e da oposição nas imediações do aeroporto, da missão da ONU e em diferentes zonas de Juba", indicou na sua página no Facebook.

Não foi avançado qualquer balanço de vítimas.

Os confrontos começaram na quinta-feira com um incidente que provocou cinco mortos. No dia seguinte, registaram-se novos combates que provocaram mais de 150 mortos, sobretudo soldados das duas partes, de acordo com os ex-rebeldes.

Os confrontos opõem soldados leais ao presidente Salva Kiir às forças rivais do ex-líder rebelde e atual vice-presidente Riek Machar.

O ressurgimento da violência em Juba ocorre numa altura em que o país completa cinco anos de independência após uma longa guerra com o Sudão. Metade do período de independência foi marcado por um novo conflito interno, alimentado pela rivalidade entre Salva Kiir e Riek Machar.

Em agosto passado, os dois principais protagonistas do conflito assinaram um acordo de paz e ficou definido o regresso de Machar, em abril, a Juba, para ocupar a vice-presidência e formar com Kiir um governo de união nacional.

Depois do recomeço dos combates hoje, alguns civis procuraram refúgio numa base da ONU junto do aeroporto.

A companhia aérea Kenya Airways suspendeu todos os voos com destino a Juba devido à insegurança.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.