sicnot

Perfil

Mundo

Combates na capital do Sudão do Sul intensificam-se

Os combates entre forças sul-sudanesas e ex-rebeldes intensificaram-se hoje em Juba e estenderam-se a várias bairros da capital e às imediações do aeroporto internacional, dois dias após confrontos que fizeram mais de 150 mortos.

Jason Patinkin

A ONU indicou que houve disparos de morteiro e de lança-granadas. Foi também assinalada a presença de helicópteros de combate, de tanques e muitos habitantes da cidade tiveram de esconder-se em casa ou de fugir, de acordo com testemunhas.

"A situação deteriorou-se consideravelmente em Juba", advertiu a embaixada dos Estados Unidos, aconselhando os norte-americanos a permanecerem em casa.

"Estão a decorrer intensos combates entre forças governamentais e da oposição nas imediações do aeroporto, da missão da ONU e em diferentes zonas de Juba", indicou na sua página no Facebook.

Não foi avançado qualquer balanço de vítimas.

Os confrontos começaram na quinta-feira com um incidente que provocou cinco mortos. No dia seguinte, registaram-se novos combates que provocaram mais de 150 mortos, sobretudo soldados das duas partes, de acordo com os ex-rebeldes.

Os confrontos opõem soldados leais ao presidente Salva Kiir às forças rivais do ex-líder rebelde e atual vice-presidente Riek Machar.

O ressurgimento da violência em Juba ocorre numa altura em que o país completa cinco anos de independência após uma longa guerra com o Sudão. Metade do período de independência foi marcado por um novo conflito interno, alimentado pela rivalidade entre Salva Kiir e Riek Machar.

Em agosto passado, os dois principais protagonistas do conflito assinaram um acordo de paz e ficou definido o regresso de Machar, em abril, a Juba, para ocupar a vice-presidência e formar com Kiir um governo de união nacional.

Depois do recomeço dos combates hoje, alguns civis procuraram refúgio numa base da ONU junto do aeroporto.

A companhia aérea Kenya Airways suspendeu todos os voos com destino a Juba devido à insegurança.

Lusa

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".