sicnot

Perfil

Mundo

Austrália negou cidadania a centenas de imigrantes por suposta atividade comunista

A Austrália negou durante décadas conceder cidadania a centenas de imigrantes que chegaram ao país após a II Guerra Mundial devido a supostas atividades comunistas, noticiam hoje meios de comunicação social locais.

Reuters

Uma equipa da cadeia televisiva SBS examinou milhares de documentos, anteriormente classificados, do Arquivo Nacional da Austrália, os quais mostram que as avaliações de segurança de centenas de pessoas supostamente ligadas a organizações comunistas eram adversas e que, como consequência, lhes foi recusada a cidadania durante décadas.

Ter frequentado clubes ligados a países comunistas ou pertencido a sindicatos de esquerda eram dois dos argumentos invocados pelos serviços de inteligência (ASIO, na sigla em inglês) e pelo Ministério da Imigração para pôr os imigrantes na lista negra.

Os documentos oficiais não mencionam qualquer preocupação relativamente a uma potencial conduta criminosa, por exemplo, com as objeções a ocorrerem apenas com base na perceção dos pontos de vista políticos dos "australianos não desejados".

Este tratamento não resultou somente na recusa de cidadania, no ostracismo e na exclusão social dos imigrantes, mas também na dificuldade em manterem um emprego ou viajarem para fora do país, inclusive nos casos de emergências familiares.

As autoridades australianas também fizeram escutas aos seus telefones, fotografaram-nos, vigiaram as suas contas bancárias e censuram a sua correspondência.

"Disseram-nos que vínhamos para um país livre", disse à SBS Giovanni Sgro, um imigrante italiano que teve de esperar 20 anos para obter a cidadania e que teve de cancelar uma viagem ao seu país de origem para visitar a mãe, que estava a morrer, porque as autoridades australianas lhe recusaram a autorização para regressar.

Claudio Villegas, um espanhol opositor ao ditador Franco, contou, por seu turno, que outros imigrantes lhe recomendaram que não se envolvesse em atividades políticas na Austrália se pretendia obter a cidadania.

O espanhol decidiu não seguir os conselhos e até hoje o Ministério da Imigração recusa desclassificar os documentos ligados ao seu pedido rejeitado, segundo a SBS.

Michael Kirby, ex-juiz do Tribunal Superior da Austrália e que acabou de terminar uma investigação para a ONU sobre os direitos humanos na Coreia do Norte, sublinhou que o país oceânico deve "reconhecer os erros cometidos no Parlamento nacional".

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.