sicnot

Perfil

Mundo

2016 está a ser o mais violento para os jornalistas do Afeganistão

O ano de 2016 tem sido o mais violento para os media afegãos, com 10 jornalistas mortos no primeiro semestre, segundo um relatório de uma organização não-governamental divulgado na segunda-feira.

Massoud Hossaini

O Comité de Segurança para os Jornalistas Afegãos (AJSC) divulgou na segunda-feira os dados recolhidos entre janeiro e junho, que evidenciam 54 casos de violência sobre jornalistas afegãos, com um aumento de 38% em relação ao período homólogo.

Os casos recolhidos no relatório incluem assassínios, detenções, ataques e atos de intimidação, na maioria praticados por "indivíduos ligados ao Governo", que foram responsáveis por 21 casos.

No relatório concluiu-se que 16 casos foram praticados por talibãs, o que representa um aumento da violência dos opositores das forças governamentais.

Em janeiro, sete funcionários do canal televisivo Tolo foram mortos num ataque suicida talibã, que o grupo preparou como vingança pela propaganda negativa de que é alvo.

O AJSC diz ainda que o número de mulheres jornalistas diminuiu, numa altura em que a segurança no país está a piorar.

"Atualmente, a presença das mulheres nos media está muito limitada a áreas urbanas", escreve o relatório. "As mulheres mantiveram papéis mais fracos em secções de liderança e de notícias, destacando uma reversão da presença e crescimento qualitativo das mulheres nos media".

Com Lusa

  • PS acusa PSD e CDS de falta de agenda política
    1:01

    Caso CGD

    O PS considera o anúncio desta nova comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos um ataque doentio de PSD e CDS ao ministro das Finanças, que visa apenas desviar as atenções dos bons resultados da economia portuguesa. O deputado socialista João Paulo Correia diz que falta agenda política aos partidos de direita.

  • "Fiz coisas de que me envergonho"
    2:31
  • Mulheres heterossexuais têm menos orgasmos que as lésbicas

    Mundo

    As mulheres heterossexuais têm menos orgasmos que as lésbicas ou bissexuais, ou mesmo que todos os homens hetero, homo ou bissexuais. O estudo que dá conta desta realidade revela também o que fazer para aumentar as hipóteses de uma mulher alcançar um orgasmo.