sicnot

Perfil

Mundo

"Altos níveis de atividade" em bases nucleares norte-coreanas preocupam EUA

Imagens recolhidas recentemente com satélite indicam "altos níveis de atividade" na base de testes nucleares Punggye-ri da Coreia do Norte, disseram especialistas norte-americanos.

Wong Maye-E

No entanto, os especialistas ligados à Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, não sabem se estão em causa operações de manutenção na base ou de preparação de um novo ensaio nuclear por parte da Coreia do Norte.

As imagens foram registadas a 7 de julho e revelam intensa atividade na base onde o exército norte-coreano fez os seus dois últimos testes nucleares, em 2013 e no início deste ano, explica o site 38north.org, ligado àquela universidade e especializado nas questões da Coreia do Norte. O nome do site é uma referência ao paralelo 38, onde a península coreana se divide entre Norte e Sul.

"Apenas a partir destas imagens não é possível determinar se esta é uma atividade para manutenção (...) ou para preparar um quinto teste nuclear", lê-se na página 38north.org.

"No entanto, fica claro que a Coreia do Norte está a garantir a preparação das instalações, de forma a permitir levar a cabo futuros testes nucleares se chegar uma ordem de Pyongyang", acrescentam os especialistas.

As imagens mostram, por exemplo, veículos e vagões usados em trabalho mineiro, o que indica que há trabalho no interior dos túneis da base.

A seis de janeiro, a Coreia do Norte detonou no interior destas galerias subterrâneas aquilo que disse ser uma bomba de hidrogénio, embora análises de peritos internacionais tenham concluído que se tratou de um artefacto menos potente.

Na última semana, a Coreia do Norte condenou o acordo anunciado pela Coreia do Sul e os Estados Unidos para a instalação do sistema antimísseis THAAD em território sul-coreano.

Pyongyang criticou também as sansões aprovadas por Washington contra o líder do regime da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

Em resposta, a Coreia do Norte lançou no último fim de semana um míssil a partir de um submarino e na segunda-feira anunciou o corte do único canal diplomático que mantinha com os EUA, as Nações Unidas.

Com Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.