sicnot

Perfil

Mundo

Grávidas não precisam de suplementos multivitamínicos

A maioria das grávidas que tomam suplementos multivitamínicos não fazem mais que desperdiçar dinheiro, garante um estudo que alerta as mulheres à espera de bebé para que não se deixem seduzir pela publicidade aos medicamentos.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Regis Duvignau / Reuters

Publicado na revista Drug and Therapeutics Bulletin, a investigação concluiu que os suplementos multivitamínicos em nada melhoram a saúde da mãe ou do feto.

"Para a maioria das mulheres que planeiam engravidar ou estão grávidas, os complexos multivitamínicos publicitados normalmente não são necessários e são uma despesa desnecessária. O marketing destes produtos não tem qualquer suporte na melhoria da saúde do feto ou da mãe.

Um número não conhecido de grávidas toma suplementos com vitaminas e minerais, como a B1, B2, B3, B6, C, D, K, ácido fólico, iodo, magnésio, zinco ou selénio.

"Não encontramos qualquer relação que nos leve a recomendar às mulheres grávidas a toma de suplementos multivitamínicos, para além dos aconselhados ácido fólico e vitamina D, cujas versões genéricas podem ser adquiridas a um preço relativamente barato", acrescenta o relatório.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.