sicnot

Perfil

Mundo

Lua "emplastra" fotografia da Terra

Uma câmara da NASA apanhou a Lua a intrometer-se numa fotografia que estava a ser tirada à Terra, pela segunda vez no espaço de um ano.

A Lua entre os oceanos Pacífico e Índico.

A Lua entre os oceanos Pacífico e Índico.

NASA/NOAA

A Lua estava a orbitar em redor da Terra quando passou à frente do satélite Deep Space Climate Observatory (DSCOVR). Na madrugada de 5 de julho, a câmara a bordo do satélite teve assim oportunidade de fotografar o "lado negro" da Lua, aquele que nunca conseguimos ver a partir da Terra.

Esta é a segunda vez que a Lua é apanhada em "flagrante delito" pela câmara EPIC ( Earth Polychromatic Imaging Camera) em menos de um ano, a primeira ocorreu a 16 de julho de 2015.

O satélite DSCOVR orbita a cerca de 1 milhão de milhas da Terra e observa o clima no espaço para a Agência Americana Oceânica e Atmosférica (NOAA), dos Estados Unidos. Monitoriza os ventos solares para que possam ser feitos alertas sobre potenciais eventos climatéricos no espaço que possam ser perigosos.

  • Lua "intrometeu-se" em foto do Sol

    Mundo

    Na manhã de 30 de janeiro, a Lua colocou-se entre o Sol e o Observatório Solar Dynamics da NASA, permitindo capturar uma imagem de um eclipse solar parcial a partir do espaço.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.