sicnot

Perfil

Mundo

Medicação baixa risco de transmissão do VIH em casais sorodiscordantes

Um estudo publicado hoje na revista médica JAMA indica que terapia antirretroviral baixa consideravelmente o risco de transmissão do VIH em casais sorodiscordantes (casais em que um parceiro tem o vírus e outro não).

REUTERS

Este estudo foi o maior a examinar a questão do risco de transmissão do VIH em casais sorodiscordantes, que tenham relações sexuais desprotegidas, quando o parceiro infetado está a suprimir a carga viral do VIH, com medicação.

A investigação envolveu 900 casais, sendo que a dois terços da amostra correspondem casais homossexuais.

Depois de cerca de um ano e meio o estudo não produziu nenhum caso em que a pessoa infetada com VIH, a tomar medicação para controlar o vírus, tenha infetado o parceiro.

No entanto, o estudo revelou 11 casos em que a pessoa que não estava infetada, ao iniciar o estudo, acabou por contrair o vírus que causa a SIDA.

Os investigadores afirmaram que oito dos participantes, que terminaram o estudo infetados com VIH, admitiram que tiveram relações sexuais desprotegidas fora da relação.

Em nenhum dos casos a infeção, da pessoa recentemente infetada, foi molecularmente compatível com a do parceiro, ou seja, a taxa de transmissão entre os membros dos casais participantes foi zero.

"Ainda que estes resultados não possam dar uma resposta para a questão de partida, este estudo fornece dados informativos nos quais os casais podem basear a sua aceitação do risco", explicitou o estudo, conduzido por Alison Rodgar da Universidade de Londres.

O editorial da revista JAMA, escrito por Eric Daar e Katya Corado do Harbor-UCLA Medical Center, acautelou que os casais não devem assumir que o estudo reivindica que o risco de transmissão é zero.

"Para os indivíduos que querem ter relações sexuais desprotegidas, rotineiras ou periódicas, os médicos indicam que o risco de transmissão de VIH é pequeno, assumindo que o parceiro infetado esteja em contínuo tratamento de supressão viral", afirmaram.

A pessoa infetada com o vírus necessita cumprir a terapia antirretroviral durante pelo menos seis meses antes de o casal ter relações sexuais desprotegidas.

Daar e Corado acrescentaram ainda que é necessário "conduzir mais investigações, com amostras maiores e um período de acompanhamento maior".

Este estudo foi realizado entre 2010 e 2014 em cerca de 75 clínicas espalhadas em países europeus.

Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.