sicnot

Perfil

Mundo

Antiga ministra burundesa morta a tiro em Bujumbura

​A antiga ministra da Informação e porta-voz do Governo do Burundi, Hafsa Mossi, foi hoje morta a tiro em Bujumbura por dois homens que dispararam a partir de um automóvel, indicou a polícia local.

Facebook

Segundo Pierre Nkurikyie, porta-voz da polícia burundesa, Hafsa Mossi foi abatida às 10:30 locais (09:30 em Portugal) no bairro de Gihosha, na zona leste de Bujumbura, e o crime está já a ser investigado.

Hafsa Mossi, que exerceu cargos no Governo burundês entre 2005 e 2007, regressando ao executivo como ministra para os Assuntos da Comunidade dos Estados da África de Leste, desempenhava atualmente o cargo de deputada na Assembleia Legislativa Leste Africana, um parlamento regional.

Antiga jornalista da televisão burundesa (RTNB) e da cadeia de televisão britânica BBC, Hafsa Mossi, de cerca de 50 anos, era também dirigente do Conselho Nacional para a Defesa da Democracia - Forças para a Defesa da Democracia (CNDD-FDD), liderado pelo Presidente burundês, Pierre Nkurunziza.

A controversa decisão de Nkurunziza se candidatar, com êxito, a um terceiro mandato na presidência burundesa desencadeou em abril de 2015 uma nova crise política e militar no país, que já provocou mais de meio milhar de mortos e levou mais de 270.000 pessoas a abandonar o Burundi.

Vários altos dirigentes militares próximos do presidente têm sido assassinados desde o início da crise.

No entanto, Hafsa Mossi, que chegou a ser conselheira de Nkurunziza, estava há vários anos longe da ribalta política e foi a primeira alta dirigente política a ser assassinada.

Com Lusa

  • A Catalunha "está farta da prepotência e dos abusos do governo"
    0:30
  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • Uber perde licença para operar em Londres

    Economia

    O regulador de transporte de Londres decidiu hoje que vai retirar à Uber a licença para operar na capital britânica. A proibição entra em vigor no final deste mês e vai afetar 40 mil motoristas da empresa multinacional norte-americana.

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Família Portugal Ramos
    15:01