sicnot

Perfil

Mundo

Bispos pedem ao Governo venezuelano para permitir entrada de medicamentos no país

A Conferência Episcopal Venezuelana (CEV) pediu na terça-feira ao Governo de Nicolás Maduro para permitir a entrada de medicamentos no país.

© Carlos Eduardo Ramirez / Reut

"É de urgente prioridade que o Executivo permita a entrada de medicamentos no país, devido à sua grande escassez", disse o arcebispo de Maracaibo, Ubaldo Santana.

Durante uma conferência de imprensa, em Caracas, o arcebispo explicou que para a receção e distribuição de medicamentos, recolhidos em vários países, "a Igreja oferece os serviços e infraestrutura da Cáritas e de outras instâncias eclesiais, abertas à cooperação de outras confissões religiosas ou instituições privadas".

"Esse serviço não é a solução definitiva mas é uma ajuda significativa", frisou.

A CEV disse ainda ser "uma necessidade" que o Governo venezuelano "abra de maneira permanente a fronteira" com a Colômbia.

"Ter permitido a sua abertura, no passado domingo, 10 de julho, permitiu que numerosos irmãos pudessem comprar alimentos e medicamentos. A passagem de milhares [35 mil] de cidadãos para o vizinho país é prova evidente da crise", frisou Monsenhor Ubaldo Santana.

Segundo a CEV, os venezuelanos passam "por um momento crucial, nos campos moral, económico, político e social" porque "diminuiu drasticamente a qualidade de vida".

"A escassez e carestia de alimentos, medicamentos e materiais hospitalares está a colocar [o país] à beira de uma crise de segurança alimentar e sanitária com consequências sociais imprevisíveis", frisou.

Para os bispos venezuelanos, "a raiz dos problemas" da crise na Venezuela "está na implantação de um projeto político totalitário, empobrecedor (...) e centralizador que o Governo se empenha em manter".

A 28 de junho, a Igreja Católica denunciou que o Governo venezuelano estava a impedir a receção de alimentos e medicamentos provenientes de outros países, que fazem parte da ajuda humanitária recolhida por organizações católicas.

"Não é possível que não se permita que venham alimentos e medicamentos de outras partes do mundo, enviados por organizações não-governamentais, por organizações da Igreja, e que não se permita, para não deixar evidente que na Venezuela há um gravíssimo problema de escassez, de coisas de primeira necessidade como são alimentos e medicamentos", disse o arcebispo de Caracas, Jorge Urosa Savino.

A 13 de junho, a Venezuela recusou a possibilidade de receber ajuda humanitária em medicamentos.

"Acreditamos na ajuda humanitária, mas é diferente usá-la no quadro que se está usando, que esconde um desejo intervencionista que é inaceitável", disse o embaixador da Venezuela na Organização dos Estados Americanos, Bernardo Álvarez, à margem da 46.ª assembleia-geral daquele organismo, na República Dominicana.

Fontes médicas dão conta que a falta de medicamentos e materiais médicos básicos na Venezuela ronda os 80%, afetando diversos tipos de pacientes, entre eles hipertensos e diabéticos.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.