sicnot

Perfil

Mundo

Bispos pedem ao Governo venezuelano para permitir entrada de medicamentos no país

A Conferência Episcopal Venezuelana (CEV) pediu na terça-feira ao Governo de Nicolás Maduro para permitir a entrada de medicamentos no país.

© Carlos Eduardo Ramirez / Reut

"É de urgente prioridade que o Executivo permita a entrada de medicamentos no país, devido à sua grande escassez", disse o arcebispo de Maracaibo, Ubaldo Santana.

Durante uma conferência de imprensa, em Caracas, o arcebispo explicou que para a receção e distribuição de medicamentos, recolhidos em vários países, "a Igreja oferece os serviços e infraestrutura da Cáritas e de outras instâncias eclesiais, abertas à cooperação de outras confissões religiosas ou instituições privadas".

"Esse serviço não é a solução definitiva mas é uma ajuda significativa", frisou.

A CEV disse ainda ser "uma necessidade" que o Governo venezuelano "abra de maneira permanente a fronteira" com a Colômbia.

"Ter permitido a sua abertura, no passado domingo, 10 de julho, permitiu que numerosos irmãos pudessem comprar alimentos e medicamentos. A passagem de milhares [35 mil] de cidadãos para o vizinho país é prova evidente da crise", frisou Monsenhor Ubaldo Santana.

Segundo a CEV, os venezuelanos passam "por um momento crucial, nos campos moral, económico, político e social" porque "diminuiu drasticamente a qualidade de vida".

"A escassez e carestia de alimentos, medicamentos e materiais hospitalares está a colocar [o país] à beira de uma crise de segurança alimentar e sanitária com consequências sociais imprevisíveis", frisou.

Para os bispos venezuelanos, "a raiz dos problemas" da crise na Venezuela "está na implantação de um projeto político totalitário, empobrecedor (...) e centralizador que o Governo se empenha em manter".

A 28 de junho, a Igreja Católica denunciou que o Governo venezuelano estava a impedir a receção de alimentos e medicamentos provenientes de outros países, que fazem parte da ajuda humanitária recolhida por organizações católicas.

"Não é possível que não se permita que venham alimentos e medicamentos de outras partes do mundo, enviados por organizações não-governamentais, por organizações da Igreja, e que não se permita, para não deixar evidente que na Venezuela há um gravíssimo problema de escassez, de coisas de primeira necessidade como são alimentos e medicamentos", disse o arcebispo de Caracas, Jorge Urosa Savino.

A 13 de junho, a Venezuela recusou a possibilidade de receber ajuda humanitária em medicamentos.

"Acreditamos na ajuda humanitária, mas é diferente usá-la no quadro que se está usando, que esconde um desejo intervencionista que é inaceitável", disse o embaixador da Venezuela na Organização dos Estados Americanos, Bernardo Álvarez, à margem da 46.ª assembleia-geral daquele organismo, na República Dominicana.

Fontes médicas dão conta que a falta de medicamentos e materiais médicos básicos na Venezuela ronda os 80%, afetando diversos tipos de pacientes, entre eles hipertensos e diabéticos.

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.