sicnot

Perfil

Mundo

Bispos pedem ao Governo venezuelano para permitir entrada de medicamentos no país

A Conferência Episcopal Venezuelana (CEV) pediu na terça-feira ao Governo de Nicolás Maduro para permitir a entrada de medicamentos no país.

© Carlos Eduardo Ramirez / Reut

"É de urgente prioridade que o Executivo permita a entrada de medicamentos no país, devido à sua grande escassez", disse o arcebispo de Maracaibo, Ubaldo Santana.

Durante uma conferência de imprensa, em Caracas, o arcebispo explicou que para a receção e distribuição de medicamentos, recolhidos em vários países, "a Igreja oferece os serviços e infraestrutura da Cáritas e de outras instâncias eclesiais, abertas à cooperação de outras confissões religiosas ou instituições privadas".

"Esse serviço não é a solução definitiva mas é uma ajuda significativa", frisou.

A CEV disse ainda ser "uma necessidade" que o Governo venezuelano "abra de maneira permanente a fronteira" com a Colômbia.

"Ter permitido a sua abertura, no passado domingo, 10 de julho, permitiu que numerosos irmãos pudessem comprar alimentos e medicamentos. A passagem de milhares [35 mil] de cidadãos para o vizinho país é prova evidente da crise", frisou Monsenhor Ubaldo Santana.

Segundo a CEV, os venezuelanos passam "por um momento crucial, nos campos moral, económico, político e social" porque "diminuiu drasticamente a qualidade de vida".

"A escassez e carestia de alimentos, medicamentos e materiais hospitalares está a colocar [o país] à beira de uma crise de segurança alimentar e sanitária com consequências sociais imprevisíveis", frisou.

Para os bispos venezuelanos, "a raiz dos problemas" da crise na Venezuela "está na implantação de um projeto político totalitário, empobrecedor (...) e centralizador que o Governo se empenha em manter".

A 28 de junho, a Igreja Católica denunciou que o Governo venezuelano estava a impedir a receção de alimentos e medicamentos provenientes de outros países, que fazem parte da ajuda humanitária recolhida por organizações católicas.

"Não é possível que não se permita que venham alimentos e medicamentos de outras partes do mundo, enviados por organizações não-governamentais, por organizações da Igreja, e que não se permita, para não deixar evidente que na Venezuela há um gravíssimo problema de escassez, de coisas de primeira necessidade como são alimentos e medicamentos", disse o arcebispo de Caracas, Jorge Urosa Savino.

A 13 de junho, a Venezuela recusou a possibilidade de receber ajuda humanitária em medicamentos.

"Acreditamos na ajuda humanitária, mas é diferente usá-la no quadro que se está usando, que esconde um desejo intervencionista que é inaceitável", disse o embaixador da Venezuela na Organização dos Estados Americanos, Bernardo Álvarez, à margem da 46.ª assembleia-geral daquele organismo, na República Dominicana.

Fontes médicas dão conta que a falta de medicamentos e materiais médicos básicos na Venezuela ronda os 80%, afetando diversos tipos de pacientes, entre eles hipertensos e diabéticos.

Lusa

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira