sicnot

Perfil

Mundo

ONU destaca regresso à violência em Moçambique

O alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos disse hoje num discurso em Genebra, na Suíça, que Moçambique "mostra sinais de regresso à violência".

© Grant Neuenburg / Reuters

"Moçambique, que tem sido considerado uma história de sucesso africano nos últimos anos, mostra sinais de retorno à violência", disse Zeid Al Hussein.

O responsável da ONU disse que "o ressurgimento de um conflito armado entre o braço armado da Renamo e o exército nacional levou ao deslocamento de pessoas nas áreas afetadas".

Al Hussein disse ainda que "raptos, execuções sumárias, maus tratos e ameaças a defensores dos direitos humanos e jornalistas foram denunciados" e pediu que fossem apuradas responsabilidades.

"Encorajo o governo a fazer o máximo que pode para penalizar os responsáveis e para enfrentar a corrupção que impede tantos [moçambicanos] de acederem aos seus direitos económicos e sociais", concluiu o responsável.

O chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, indicaram em junho terem chegado, por telefone, a um consenso sobre a participação de mediadores internacionais nas negociações para o fim dos confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança moçambicanas e o braço armado da oposição.

Apesar de as duas partes terem reatado as negociações, o centro do país continua a ser cenário de relatos de confrontações entre o braço armado da Renamo e as Forças de Defesa e Segurança.

O principal partido de oposição recusa-se a aceitar os resultados das eleições gerais de 2014, ameaçando governar em seis províncias onde reivindica vitória no escrutínio.

No seu discurso em Genebra, o alto comissário analisou ainda vários conflitos mundiais e foram destacadas as realidades de países africanos como Burundi, República Centro-Africana, Sudão, Sudão do Sul, Mali, Mauritânia, Egito e Líbia.

Zeid revelou que "o ódio está a tornar-se generalizado" e que recomeçam a aparecer as "barreiras que atormentaram as gerações anteriores e nunca produziram qualquer solução sustentável para nenhum problema".

Lusa

  • Lei existe há quatro anos mas não tem regulamentação
    2:03
  • Denúncia de maus tratos a cães no canil municipal de Elvas
    2:24

    País

    O Grupo de Intervenção e Resgate Animal denunciou nas redes sociais alegados maus tratos a animais no canil municipal de Elvas. As imagens mostram uma cadela com uma corda ao pescoço. A autarquia abriu um inquérito para averiguar o caso, suspendendo também o trabalho dos voluntários no canil.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Ovibeja aposta este ano na internacionalização da agricultura
    2:07

    País

    A Ovibeja começou esta quinta-feira e este ano aposta na internacionalização dos produtos agrícolas do Alentejo. Centenas de expositores esgotam o certame, que é uma monstra da agricultura portuguesa. António Costa, na sexta-feira, e Marcelo Rebelo de Sousa, no sábado, são alguns dos políticos com a presença marcada em Beja.

  • Estados Unidos vão reforçar as sanções à Coreia do Norte
    1:31

    Mundo

    Washington pretende também investir nos esforços diplomáticos para que Pyongyang ponha fim aos programas nucleares e de mísseis. A nova estratégia de Donald Trump foi anunciada quarta-feira à noite. A força aérea norte-americana testou esta quarta-feira um míssil de longo-alcance que percorreu 6800 quilómetros sobre o Pacífico a partir de uma base na Califórnia.

  • Le Pen vai à pesca
    0:35

    Eleições França 2017

    Marine Le Pen, candida à presidência de França fez esta quinta-feira uma "pausa" na campanha eleitoral e aproveitou para ir à pesca. A candidata navegou num barco de pesca no Mediterrâneo.