sicnot

Perfil

Mundo

ONU destaca regresso à violência em Moçambique

O alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos disse hoje num discurso em Genebra, na Suíça, que Moçambique "mostra sinais de regresso à violência".

© Grant Neuenburg / Reuters

"Moçambique, que tem sido considerado uma história de sucesso africano nos últimos anos, mostra sinais de retorno à violência", disse Zeid Al Hussein.

O responsável da ONU disse que "o ressurgimento de um conflito armado entre o braço armado da Renamo e o exército nacional levou ao deslocamento de pessoas nas áreas afetadas".

Al Hussein disse ainda que "raptos, execuções sumárias, maus tratos e ameaças a defensores dos direitos humanos e jornalistas foram denunciados" e pediu que fossem apuradas responsabilidades.

"Encorajo o governo a fazer o máximo que pode para penalizar os responsáveis e para enfrentar a corrupção que impede tantos [moçambicanos] de acederem aos seus direitos económicos e sociais", concluiu o responsável.

O chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, indicaram em junho terem chegado, por telefone, a um consenso sobre a participação de mediadores internacionais nas negociações para o fim dos confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança moçambicanas e o braço armado da oposição.

Apesar de as duas partes terem reatado as negociações, o centro do país continua a ser cenário de relatos de confrontações entre o braço armado da Renamo e as Forças de Defesa e Segurança.

O principal partido de oposição recusa-se a aceitar os resultados das eleições gerais de 2014, ameaçando governar em seis províncias onde reivindica vitória no escrutínio.

No seu discurso em Genebra, o alto comissário analisou ainda vários conflitos mundiais e foram destacadas as realidades de países africanos como Burundi, República Centro-Africana, Sudão, Sudão do Sul, Mali, Mauritânia, Egito e Líbia.

Zeid revelou que "o ódio está a tornar-se generalizado" e que recomeçam a aparecer as "barreiras que atormentaram as gerações anteriores e nunca produziram qualquer solução sustentável para nenhum problema".

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".