sicnot

Perfil

Mundo

Uber sai da Hungria depois de dois anos de batalha

A gigante e controversa empresa norte-americana de transporte Uber anunciou hoje que vai deixar a Hungria, após a aprovação de uma lei, por parte do Governo húngaro, que não permite o seu funcionamento.

Eric Risberg

A empresa norte-americana vai deixar pela primeira vez um país da União Europeia (EU) no dia 24 de julho, dia em que a nova lei que bloqueia as operações de transporte entre particulares entra em vigor.

Esta lei, votada no mês passado, "tornará impossível aos condutores húngaros, mesmo se eles tiverem as autorizações e pagarem as taxas, de utilizar o seu veículo para fins comerciais", lamentou a Uber num comunicado.

"A Hungria é uma exceção e não a regra", garantiu o responsável da Uber na Europa central, Robbie Khazzam, à agência francesa AFP.

Especializada no contacto direto, a empresa norte-americana foi acusada na Hungria - tal como em vários países - de concorrência desleal para com os táxis que têm licenças tradicionais.

Os taxistas encontraram um forte aliado no Governo conservador de Viktor Orban que, desde a chegada da Uber à Hungria em novembro de 2014, tem vindo a reforçar a legislação contra esta aplicação e a multiplicar o controlo aos motoristas.

A nova lei permite bloquear tecnicamente durante um ano os serviços de internet de todos os "prestadores de serviços de táxi que não tenham uma central", como é o caso da Uber.

A empresa de transportes tem cerca de 1.200 motoristas e 150.000 clientes na Hungria.

O responsável da Uber na Hungria, Zoltan Fekete, lamentou à AFP a atitude de Budapeste cuja legislação "pune a inovação, em detrimento da concorrência e do consumidor, sem qualquer benefício para o Estado".

Zoltan Fekete garantiu que a empresa deu provas da sua boa vontade com vista a "ajudar ao estabelecimento de um quadro de legislação moderna", sem prejuízo para o Governo.

"Nós não abandonamos a Hungria", garantiu Robbie Khazzam que espera poder, futuramente, recomeçar a atividade neste país.


Lusa

  • O tempo para hoje
    0:53
  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.