sicnot

Perfil

Mundo

Uber sai da Hungria depois de dois anos de batalha

A gigante e controversa empresa norte-americana de transporte Uber anunciou hoje que vai deixar a Hungria, após a aprovação de uma lei, por parte do Governo húngaro, que não permite o seu funcionamento.

Eric Risberg

A empresa norte-americana vai deixar pela primeira vez um país da União Europeia (EU) no dia 24 de julho, dia em que a nova lei que bloqueia as operações de transporte entre particulares entra em vigor.

Esta lei, votada no mês passado, "tornará impossível aos condutores húngaros, mesmo se eles tiverem as autorizações e pagarem as taxas, de utilizar o seu veículo para fins comerciais", lamentou a Uber num comunicado.

"A Hungria é uma exceção e não a regra", garantiu o responsável da Uber na Europa central, Robbie Khazzam, à agência francesa AFP.

Especializada no contacto direto, a empresa norte-americana foi acusada na Hungria - tal como em vários países - de concorrência desleal para com os táxis que têm licenças tradicionais.

Os taxistas encontraram um forte aliado no Governo conservador de Viktor Orban que, desde a chegada da Uber à Hungria em novembro de 2014, tem vindo a reforçar a legislação contra esta aplicação e a multiplicar o controlo aos motoristas.

A nova lei permite bloquear tecnicamente durante um ano os serviços de internet de todos os "prestadores de serviços de táxi que não tenham uma central", como é o caso da Uber.

A empresa de transportes tem cerca de 1.200 motoristas e 150.000 clientes na Hungria.

O responsável da Uber na Hungria, Zoltan Fekete, lamentou à AFP a atitude de Budapeste cuja legislação "pune a inovação, em detrimento da concorrência e do consumidor, sem qualquer benefício para o Estado".

Zoltan Fekete garantiu que a empresa deu provas da sua boa vontade com vista a "ajudar ao estabelecimento de um quadro de legislação moderna", sem prejuízo para o Governo.

"Nós não abandonamos a Hungria", garantiu Robbie Khazzam que espera poder, futuramente, recomeçar a atividade neste país.


Lusa

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.