sicnot

Perfil

Mundo

Uber sai da Hungria depois de dois anos de batalha

A gigante e controversa empresa norte-americana de transporte Uber anunciou hoje que vai deixar a Hungria, após a aprovação de uma lei, por parte do Governo húngaro, que não permite o seu funcionamento.

Eric Risberg

A empresa norte-americana vai deixar pela primeira vez um país da União Europeia (EU) no dia 24 de julho, dia em que a nova lei que bloqueia as operações de transporte entre particulares entra em vigor.

Esta lei, votada no mês passado, "tornará impossível aos condutores húngaros, mesmo se eles tiverem as autorizações e pagarem as taxas, de utilizar o seu veículo para fins comerciais", lamentou a Uber num comunicado.

"A Hungria é uma exceção e não a regra", garantiu o responsável da Uber na Europa central, Robbie Khazzam, à agência francesa AFP.

Especializada no contacto direto, a empresa norte-americana foi acusada na Hungria - tal como em vários países - de concorrência desleal para com os táxis que têm licenças tradicionais.

Os taxistas encontraram um forte aliado no Governo conservador de Viktor Orban que, desde a chegada da Uber à Hungria em novembro de 2014, tem vindo a reforçar a legislação contra esta aplicação e a multiplicar o controlo aos motoristas.

A nova lei permite bloquear tecnicamente durante um ano os serviços de internet de todos os "prestadores de serviços de táxi que não tenham uma central", como é o caso da Uber.

A empresa de transportes tem cerca de 1.200 motoristas e 150.000 clientes na Hungria.

O responsável da Uber na Hungria, Zoltan Fekete, lamentou à AFP a atitude de Budapeste cuja legislação "pune a inovação, em detrimento da concorrência e do consumidor, sem qualquer benefício para o Estado".

Zoltan Fekete garantiu que a empresa deu provas da sua boa vontade com vista a "ajudar ao estabelecimento de um quadro de legislação moderna", sem prejuízo para o Governo.

"Nós não abandonamos a Hungria", garantiu Robbie Khazzam que espera poder, futuramente, recomeçar a atividade neste país.


Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.