sicnot

Perfil

Mundo

EUA suspeitam que China pirateou computadores de regulador bancário americano

Uma comissão do Congresso dos Estados Unidos levantou, na quarta-feira, a suspeita de que o Governo chinês se infiltrou em computadores de um regulador bancário norte-americano, o que os funcionários terão depois tentado encobrir.

O sistema informático do Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC) -- a agência federal norte-americana que tem como principal função a garantia dos depósitos bancários -- foi "pirateado por um governo estrangeiro, provavelmente o chinês", refere um relatório divulgado pela Comissão para a Ciência, Espaço e Tecnologia, liderada pelos republicanos, segundo o qual a agência federal tentou depois esconder os ataques.

"A repetida má vontade do FDIC para ser aberta e transparente para com a investigação da comissão levanta sérias preocupações sobre se a agência está ainda a tentar proteger informação", diz o relatório.

Segundo a comissão, o primeiro ataque foi detetado em 2010, seguindo-se outros em 2011 e 2013.

"No total, 12 estações de trabalho foram comprometidas e dez servidores do FDIC foram invadidos e infetados por um vírus criado pelo hacker", de acordo com a mesma comissão parlamentar.

"Até o computador da antiga presidente" do FDIC ficou comprometido, enfatiza o documento.

O chefe da Agência de Segurança Nacional, Michael Rogers, disse ao Congresso, em abril, que piratas informáticos chineses continuavam "envolvidos em atividades dirigidas contra empresas norte-americanas".

O presidente do FDIC, Martin Gruenberg, vai comparecer hoje diante da comissão que divulgou o relatório, numa sessão em que o inspetor-geral interno Fred Gibson também vai prestar depoimento.


Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras