sicnot

Perfil

Mundo

Hollande diz que diminui orçamento do Eliseu em resposta ao caso do cabeleireiro

O presidente francês, François Hollande, criticado pelos custos de cabeleireiro considerados exorbitantes, defendeu-se hoje destacando ter reduzido o orçamento presidencial desde a sua eleição em 2012.

© POOL New / Reuters

"Fiz diminuir o orçamento do Eliseu que era de 109 milhões em 2012 para 100 milhões, reduzi em 10 por cento os efetivos do Eliseu", afirmou numa entrevista à televisão por ocasião da festa nacional.

"O meu salário baixou 30% e vêm ter comigo acerca de uma questão de que não sou o primeiro responsável", adiantou, em resposta a uma pergunta sobre o salário do seu cabeleireiro pessoal, que é de perto de 10.000 euros brutos por mês.

O chefe de Estado afirmou admitir qualquer crítica, mas "essa, não".

O jornal satírico francês Le Canard Enchaîné revelou na edição de quarta-feira o salário bruto mensal do cabeleireiro do calvo presidente Hollande, o que suscitou indignação e chacota na oposição e nas redes sociais.

"O 'brushing' presidencial não tem preço. Cortar e pentear as três madeixas do presidente, lavá-las, pintá-las, penteá-las e voltar a pintá-las é um trabalho sério. Um atleta do pente e do pincel é o responsável, trabalhando na sombra desde o início do mandato e seguindo François Hollande em todas as viagens oficiais", escreveu o jornalista do Le Canard Enchaîné, que mantem a ironia ao longo de todo o artigo.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.