sicnot

Perfil

Mundo

Hollande diz que diminui orçamento do Eliseu em resposta ao caso do cabeleireiro

O presidente francês, François Hollande, criticado pelos custos de cabeleireiro considerados exorbitantes, defendeu-se hoje destacando ter reduzido o orçamento presidencial desde a sua eleição em 2012.

© POOL New / Reuters

"Fiz diminuir o orçamento do Eliseu que era de 109 milhões em 2012 para 100 milhões, reduzi em 10 por cento os efetivos do Eliseu", afirmou numa entrevista à televisão por ocasião da festa nacional.

"O meu salário baixou 30% e vêm ter comigo acerca de uma questão de que não sou o primeiro responsável", adiantou, em resposta a uma pergunta sobre o salário do seu cabeleireiro pessoal, que é de perto de 10.000 euros brutos por mês.

O chefe de Estado afirmou admitir qualquer crítica, mas "essa, não".

O jornal satírico francês Le Canard Enchaîné revelou na edição de quarta-feira o salário bruto mensal do cabeleireiro do calvo presidente Hollande, o que suscitou indignação e chacota na oposição e nas redes sociais.

"O 'brushing' presidencial não tem preço. Cortar e pentear as três madeixas do presidente, lavá-las, pintá-las, penteá-las e voltar a pintá-las é um trabalho sério. Um atleta do pente e do pincel é o responsável, trabalhando na sombra desde o início do mandato e seguindo François Hollande em todas as viagens oficiais", escreveu o jornalista do Le Canard Enchaîné, que mantem a ironia ao longo de todo o artigo.

Lusa

  • Incêndio destrói igreja em Ponte da Barca
    1:49

    País

    Um incêndio destruiu na última madrugada a Igreja de Lavradas, em Ponte da Barca. A Polícia Judiciária de Braga está a investigar as causas do fogo, mas tudo aponta para um curto-circuito.

  • Bairro em Loures não tem luz há mais de um ano
    2:30

    País

    O bairro da Torre, junto ao aeroporto de Lisboa mas ainda no concelho de Loures, não tem eletricidade nem nos postes, nem nas casas. A EDP e os moradores nunca chegaram a acordo para uma solução de pagamento coletivo e a empresa, para acabar com as puxadas eléctricas ilegais, decidiu cortar de vez o abastecimento há mais de um ano.