sicnot

Perfil

Mundo

Tempestade tropical na China provocou 21 mortos e 13 desaparecidos

Uma tempestade tropical na China fez 21 mortos e 13 desaparecidos após ter atingido Taiwan com chuva e ventos de tufão, segundo disse hoje a agência de notícias chinesa, Xinhua.

(arquivo)

(arquivo)

© China Stringer Network / Reut

As perdas económicas diretas chegam a sete mil milhões de yuan, cerca de 940 milhões de euros.

A tempestade tropical atingiu a costa da China durante o fim de semana e provém do supertufão Nepartak que deixou a ilha de Taiwan num estado de caos na semana passada.

O Nepartak enfraqueceu para tempestade tropical no sábado, quando atingiu a província de Fujian, na costa leste chinesa.

Taiwan viu os ventos mais fortes registados num século, o que obrigou 15.000 pessoas a deixarem as suas casas. O centro de operações de emergência de Taiwan disse que três pessoas foram mortas e 300 ficaram feridas.

Segundo a Xinhua, mais de meio milhão de pessoas tiveram de ser retiradas dos seus locais de habitação e 8.300 casas foram destruídas num dos piores períodos de tempestades de verão na China.

Lusa

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".