sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos e Rússia chegam a acordo para salvar cessar-fogo na Síria

Moscovo e Washington chegaram a acordo sobre "medidas concretas" para salvar o cessar-fogo na Síria, disse o chefe da diplomacia norte-americana John Kerry.

(arquivo)

(arquivo)

© Ammar Abdullah / Reuters

Os detalhes do acordo não serão públicos para que o trabalho de ambas as partes continue em favor da paz na Síria, precisou Kerry numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo russo Sergueï Lavrsalvar.

"Quero esclarecer que essas medidas não são baseadas na confiança. Eles definem responsabilidades específicas para todas as partes em conflito devem tomar", adiantou ainda Kerry depois de maratona de negociações que duraram mais de 12 horas.

O objetivo do acordo é "parar com os bombardeamentos indiscriminado de Bashar al-Assad e intensificar nossos esforços contra o ramo sírio da Al Qaeda", explicou, referindo que "cada um sabe exatamente o que tem que fazer".

De acordo com um documento do governo norte-americano divulgado pelo Washington Post, Kerry foi a Moscovo tentar que os dois países trabalhem em conjunto e lutem contra grupo Daesh e a Frente Al-Nusra, o braço sírio da al-Qaeda.

Em troca, Moscovo deve limitar os seus ataques aéreos contra alvos selecionados com os Estados Unidos e o regime sírio deve parar de bombardear os rebeldes moderados, de acordo com este documento.

Moscovo e Washington também querem que o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, "intensifique o seu trabalho".

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.