sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de apoiantes de Erdogan nas ruas de Istambul e Ancara

Milhares de apoiantes do Presidente turco, Recep Erdogan, concentraram-se hoje, ao início da noite, nas ruas de Istambul para confirmar que estão ao seu lado, após a tentativa de golpe de Estado pelos militares.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

O chefe de Estado dirigiu-se à multidão, que empunhava bandeiras da Turquia. A atmosfera era bastante familiar, no bairro de Kisikli, no lado asiático da cidade, onde Erdogan tem uma casa.

Istambul é o reduto do Presidente turco, que foi presidente da câmara desta cidade.

Na capital turca, Ancara, apoiantes de Erdogan reuniram-se em frente ao parlamento, mas em número inferior.

O chefe de Estado tinha apelado, através da rede social Twitter, aos seus compatriotas para que "continuem a ser os donos das ruas (...) porque um novo surto (de violência) é sempre possível", após uma tentativa de golpe de Estado, na sexta-feira.

A Turquia foi alvo de uma tentativa de golpe de Estado na sexta-feira à noite, mas o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, disse hoje que a situação no país "está completamente sob controlo".

O último balanço aponta para 161 mortos entre civis e forças leais ao presidente Recep Erdogan, 1.440 feridos e 2.839 militares revoltosos detidos.

Yildirim adiantou que 20 militares revoltosos morreram no decurso da tentativa de golpe de Estado, números que contrariam o balanço inicialmente avançado pelas Forças Armadas, que apontavam para 104 mortes de militares revoltosos, abatidos pelas forças leais ao presidente Erdogan.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras