sicnot

Perfil

Mundo

Obama convoca Conselho de Segurança Nacional

O presidente norte-americano Barack Obama convocou hoje o Conselho de Segurança Nacional, na sequência do golpe de Estado falhado na Turquia, adiantou a Casa Branca em comunicado, citada pela AFP.

© Yuri Gripas / Reuters

"O presidente vai reunir-se com o seu Conselho de Segurança e equipa de política internacional para se inteirar da situação na Turquia", adiantou a Casa Branca em comunicado.

A reunião deverá começar às 14:30 GMT (mais uma hora em Lisboa) e será fechada à imprensa.

Na Turquia, as autoridades impuseram, por razões de segurança, o fecho da base militar de Incirlik, no sul do país, usada pelos Estados Unidos e pelas forças da coligação nos ataques aos jihadistas na Síria, adiantou o consulado norte-americano no país.

"As autoridades locais estão a negar qualquer entrada ou saída na base aérea de Incirlik. A energia foi cortada", adiantou o consulado em Adana.

O comando militar norte-americano na Europa elevou para o nível máximo o estado de alerta das tropas americanas na Turquia, ordenando-lhes que tomem medidas de proteção máxima, na sequência do golpe de Estado falhado.

Os Estados Unidos têm cerca de 2.200 militares e civis empregados na Turquia, um membro da NATO e parceiro essencial dos norte-americanos naquela região.

Cerca de 1.500 deles estão colocados em Incirlik, de onde foram lançados muitos ataques contra o grupo extremista Estado Islâmico.

Lusa

  • O golpe de Estado falhado na Turquia
    3:48

    Mundo

    O último balanço do golpe de Estado falhado na Turquia é de 194 mortos (civis e militares), mais de 1.150 feridos e 2.800 detidos. O Presidente Erdogan que já regressou a Ancara diz que a situação está controlada, mas apelou à população para se manter nas ruas. A capital e Istambul, a maior cidade do país, foram os principais palcos da revolta militar. As tropas revoltosas falavam em restaurar a Democracia e a Constituição.

  • Civis resistiram ao avanço dos militares na Turquia
    1:15

    Mundo

    Durante a tentativa de golpe de Estado na Turquia, os militares procuraram controlar locais estratégicos do país como estações de televisão e vias de comunicação. Contudo, a população respondeu ao apelo do presidente e resistiu ao avanço dos militares. A cadeira de televisão "CNN Turquia" foi um dos meios de comunicação tomados pelos militares. A ação militar destruiu vários edifícios do Governo e provocou quase 200 mortos e mais de mil feridos.

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bastidores do sambódromo: um espétaculo à parte
    3:22
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.