sicnot

Perfil

Mundo

Polícia detém 10 magistrados da cúpula judicial turca

A polícia turca prendeu hoje 10 juízes do Danistay, um dos órgãos supremos da Judicatura da Turquia e a autoridade máxima para contenciosos administrativos, indicou a agência noticiosa pró-governamental Anadolu.

© Murad Sezer / Reuters

A polícia anda à procura de 38 outros magistrados do Danistay, acrescentou, por seu lado, a cadeia privada de televisão NTV, no quadro de um mandado de captura emanado das autoridades presidenciais contra 140 juízes do Supremo Tribunal, também conhecido por Yargitay.

Em declarações à NTV, o presidente do Yargitay, Ismail Rustu Çirit, prometeu "castigar todos os traidores".

A medida ocorre horas após as autoridades turcas terem abortado uma tentativa de golpe de Estado e depois de a Junta Superior de Juízes e Fiscais ter destituído 2.745 magistrados.

Ao mesmo tempo, a Junta, presidida pelo ministro da Justiça turco, Bekir Bozdag, destituiu cinco dos seus 22 membros.

Por seu lado, a edição "online" do diário Hurriyet indicou que os juízes foram "aparentemente destituídos " por terem sido considerados suspeitos de ligações a Fehtullah Gulen, exilado nos Estados Unidos e considerado "inimigo" do partido islamita no poder na Turquia, o AKP, que é também "suspeito" de ser o "líder" da sublevação.

O presidente turco, Recep Erdogan, e o Governo afirmaram que os chamados "gulenistas" estão por trás da tentativa de golpe de Estado iniciada sexta-feira à noite e abortada ao longo da madrugada.

A violenta intentona causou entre 181 e 265 mortos, segundo diferentes fontes, bem como cerca de 1.440 feridos, tendo sido detidos 2.839 militares suspeitos de envolvimento na tentativa de golpe de Estado.

Lusa

  • O golpe de Estado falhado na Turquia
    3:48

    Mundo

    O último balanço do golpe de Estado falhado na Turquia é de 194 mortos (civis e militares), mais de 1.150 feridos e 2.800 detidos. O Presidente Erdogan que já regressou a Ancara diz que a situação está controlada, mas apelou à população para se manter nas ruas. A capital e Istambul, a maior cidade do país, foram os principais palcos da revolta militar. As tropas revoltosas falavam em restaurar a Democracia e a Constituição.

  • Civis resistiram ao avanço dos militares na Turquia
    1:15

    Mundo

    Durante a tentativa de golpe de Estado na Turquia, os militares procuraram controlar locais estratégicos do país como estações de televisão e vias de comunicação. Contudo, a população respondeu ao apelo do presidente e resistiu ao avanço dos militares. A cadeira de televisão "CNN Turquia" foi um dos meios de comunicação tomados pelos militares. A ação militar destruiu vários edifícios do Governo e provocou quase 200 mortos e mais de mil feridos.

  • Quem é o Presidente da Turquia
    2:13

    Mundo

    Apoiado pelos conservadores e pelos meios religiosos, o Presidente turco tem visto a popularidade cair nos últimos anos e já há quem lhe chame ditador e o acuse de tentar impor o islamismo no país. Recep Tayyip Erdogan tem 62 anos e ocupa o cargo desde 2014. Licenciou-se em Gestão e esteve preso quatro meses, depois de ter lido um poema num protesto. Estreou-se na política como presidente da Câmara de Istambul e foi primeiro-ministro do país entre 2002 e 2013.

  • Dez feridos ligeiros em naufrágio de embarcação em Cascais

    País

    Uma embarcação de recreio com 10 pessoas a bordo naufragou ao largo da Parede, na linha de Cascais. Todos os tripulantes foram resgatados pelas autoridades marítimas e bombeiros e apresentam escoriações ligeiras e sinais de hipotermia. O barco foi entretanto retirado da água e a marginal continua cortada ao trânsito.

  • PS apresenta Lei de Bases da Habitação para abrir debate sobre habitação acessível
    1:19

    Economia

    O PS quer avançar com uma Lei de Bases da Habitação. A proposta apresentada esta quinta-feira propõe a requisição de casas devolutas para habitação e apoios concretos para o arrendamento a preços acessíveis. O líder parlamentar do PS, Carlos César, diz que é tempo de abrir um debate sobre a habitação que acredita que pode resultar numa Lei ainda na atual legislatura.

  • A morte anunciada da ETA

    Mundo

    A organização separatista basca ETA vai anunciar a sua dissolução em 05 de maio, durante uma cerimónia marcada para Bayona, no País Basco francês, disseram à agência Efe fontes conhecedoras do processo.