sicnot

Perfil

Mundo

Homem que matou três polícias em Baton Rouge é ex-marine norte-americano

O autor da morte hoje de três polícias em Baton Rouge, no estado norte-americano do Luisiana, é um ex-fuzileiro do Kansas City (Missuri), informaram os media locais.

© Jonathan Bachman / Reuters

A cadeia de televisão WAFB, que citou fontes policiais, disse que o indivíduo, chamado Gavin Long, é um ex-'marine' que hoje fazia 29 anos, tendo morrido na troca de tiros com a polícia.

Na ocasião, três polícias morreram e vários outros ficaram feridos no tiroteio, onde a recente morte de um homem negro provocou uma vaga de indignação, informou a polícia.

Ainda não são conhecidas as circunstâncias exatas do tiroteio, mas as forças de segurança terão intervindo após os primeiros disparos.

Vários agentes da polícia de Baton Rouge e dependentes do xerife, ficaram feridos e foram transportados para o hospital local, segundo um comunicado da força polícia.

O presidente norte-americano, Barack Obama, já condenou o homicídio dos três polícias em Baton Rouge e classificou-o como "um ato de cobardes".

"Pela segunda vez em duas semanas, agentes da polícia, que todos os dias arriscam as suas vidas, estavam a fazer o seu trabalho quando foram mortos num ataque cobarde e condenável", disse Obama numa declaração.

Acrescentou que são "ataques a funcionários da causa pública, ao Estado de Direito e à sociedade civilizada, e têm de parar".

O tiroteio aconteceu depois de vários dias de tensão na cidade devido à morte de um homem negro às mãos da polícia, o que gerou protestos em todo o país, incluindo Dallas, no Texas, onde cinco polícias foram assassinados.

Alton Sterling, de 37 anos, morreu em Baton Rouge, abatido pela polícia depois de uma denúncia que alertava para um homem negro que empunhava uma arma e fazia ameaças enquanto vendia CD de música na rua.

Um dia depois Philando Castile, também negro, foi morto pela polícia em Falcon Heights, no Estado de Minnesota.

As mortes, ambas filmadas, provocaram protestos populares e a denúncia de violência policial contra afro-americanos e outras minorias.

A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu, na sequência destes acontecimentos, que os Estados Unidos investigassem as mortes de cidadãos negros às mãos da polícia.

Estas mortes levaram a manifestações de milhares de pessoas em cidades como Nova Iorque, Los Angeles e Chicago, para protestar contra a violência policial sobre negros.

Em Dallas, no Texas, cinco polícias foram mortos em serviço, quando protegiam os manifestantes, a 07 de julho, naquele que foi o incidente mais grave deste tipo desde o início do ano.

O suspeito, um homem negro de 25 anos, Micah Johnson, disse à polícia que queria matar polícias brancos para vingar os abusos das autoridades.

Contando com as mortes de hoje, 31 polícias morreram este ano em tiroteios nos EUA, segundo a página eletrónica Officer Down Memorial Page, que compila o número de agentes policiais mortos em serviço.

Antes do tiroteio de hoje, a 11 de julho três pessoas morreram num tiroteio num tribunal de Saint Joseph (Michigan), dois dos quais eram polícias do tribunal e um terceiro o autor dos disparos.

Lusa

  • Tiroteio no Louisiana pode estar ligado a mortes causadas pela polícia
    1:23

    Mundo

    Três policias foram mortos, e outros 3 feridos, em Baton Rouge no estado norte-americano de Louisiana. A cidade é a mesma onde, no passado dia 5 de Julho, as autoridades mataram um afro-americano de 37 anos. Um dos suspeitos do ataque terá sido morto, mas a policia admite que outros possam estar em fuga. O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, já disse que a morte destes polícias resulta da crise de liderança que país enfrenta.

  • "Temos de jogar melhor do que frente à Espanha"
    0:45
  • Ronaldo é o jogador que mais preocupa os marroquinos
    2:35
  • Recorda-se de Tahar? O ex-futebolista marroquino que já jogou em Portugal
    6:10
  • "Somos 11 milhões, queremos ser campeões e as russas são grandes canhões"
    3:54
  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.