sicnot

Perfil

Mundo

Obama diz que homicídio de três polícias no Louisiana é "ato de cobardes"

O Presidente norte-americano, Barack Obama, condenou hoje o homicídio de três polícias em Baton Rouge, no estado norte-americano do Louisiana, que classificou como "um ato de cobardes".

© Yuri Gripas / Reuters

"Pela segunda vez em duas semanas, agentes da polícia, que todos os dias arriscam as suas vidas, estavam a fazer o seu trabalho quando foram mortos num ataque cobarde e condenável", disse Obama, numa declaração.

"Trata-se de ataques a funcionários da causa pública, ao Estado de Direito e à sociedade civilizada, e têm de parar", afirmou o Presidente dos Estados Unidos.

Num outro tiroteio em Dallas, no início do mês, cinco polícias foram mortos durante uma manifestação desencadeada pelo homicídio de dois afro-americanos pelas forças policiais e cujas mortes foram gravadas em vídeo e amplamente divulgadas nas redes sociais.

Obama disse ter oferecido o seu "total apoio" e dos governos federais às autoridades de Baton Rouge e ao estado de Louisiana.

"Não tenham dúvidas - será feita justiça", acrescentou.

"Podemos ainda não saber os motivos deste ataque, mas eu quero ser claro: não há justificação para a violência contra os agentes da lei. Nenhuma. Estes ataques são o trabalho de cobardes que não representam ninguém. Eles não corrigem quaisquer erros. Eles não defendem quaisquer causas", considerou Barack Obama.

O primeiro Presidente afro-americano nos Estados Unidos, Obama tem feito repetidos apelos à união racial.

Três polícias morreram e vários outros ficaram feridos num tiroteio hoje em Baton Rouge, onde a recente morte de um homem negro provocou uma vaga de indignação, informou a polícia.

Um dos atiradores morreu e dois outros "poderão estar em fuga", acrescentou um comunicado do gabinete do xerife local.

Ainda não são conhecidas as circunstâncias exatas do tiroteio, mas as forças de segurança terão intervindo após os primeiros disparos.

"Parece que eles (os agentes) responderam a um tiroteio", explicou Casey Rayborn Hicks, porta-voz do xerife, ao canal de televisão local WAFB9.

Vários agentes, da polícia de Baton Rouge e dependentes do xerife, ficaram feridos e foram transportados para o hospital local, precisou o comunicado.

O tiroteio acontece depois de vários dias de tensão na cidade devido à morte de um homem negro às mãos da polícia, o que gerou protestos em todo o país, incluindo Dallas, no Texas, onde cinco polícias foram assassinados.

Alton Sterling, de 37 anos, morreu em Baton Rouge, abatido pela polícia depois de uma denúncia que alertava para um homem negro que empunhava uma arma e fazia ameaças enquanto vendia CD de música na rua.

Um dia depois Philando Castile, também negro, foi morto pela polícia em Falcon Heights, no Estado de Minnesota.

As mortes, ambas filmadas, provocaram protestos populares e a denúncia de violência policial contra afro-americanos e outras minorias.

A ONU pediu, na sequência destes acontecimentos, que os Estados Unidos investigassem as mortes de cidadãos negros às mãos da polícia.

Estas mortes levaram a manifestações de milhares de pessoas em cidades como Nova Iorque, Los Angeles e Chicago, para protestar contra a violência policial sobre negros.

Em Dallas, no Texas, cinco polícias foram mortos em serviço, quando protegiam os manifestantes, a 07 de julho, naquele que foi o incidente mais grave deste tipo desde o início do ano.

O suspeito, um homem negro de 25 anos, Micah Johnson, disse à polícia que queria matar polícias brancos para vingar os abusos das autoridades.

Contando com as mortes de hoje, 31 polícias morreram este ano em tiroteios nos EUA, segundo a página eletrónica Officer Down Memorial Page, que compila o número de agentes policiais mortos em serviço.

Antes do tiroteio de hoje, a 11 de julho três pessoas morreram num tiroteio num tribunal de Saint Joseph (Michigan), dois dos quais eram polícias do tribunal e um terceiro o autor dos disparos.

Lusa

  • Tiroteio no Louisiana pode estar ligado a mortes causadas pela polícia
    1:23

    Mundo

    Três policias foram mortos, e outros 3 feridos, em Baton Rouge no estado norte-americano de Louisiana. A cidade é a mesma onde, no passado dia 5 de Julho, as autoridades mataram um afro-americano de 37 anos. Um dos suspeitos do ataque terá sido morto, mas a policia admite que outros possam estar em fuga. O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, já disse que a morte destes polícias resulta da crise de liderança que país enfrenta.

  • Tiroteio no Louisiana mata três polícias
    1:08

    Mundo

    Pelo menos três polícias foram mortos depois de serem atingidos a tiro em Baton Rouge, no estado norte-americano do Louisiana. O tiroteio aconteceu perto de uma esquadra de polícia, e para além dos mortos resultaram também vários feridos que já foram encaminhados para o hospital.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Casos de cancro nos pulmões diminuem
    3:08

    País

    O mapa do cancro em Portugal está a mudar, pela primeira vez os casos de cancro do cólon ultrapassaram os do pulmão. A proibição de fumar em locais públicos tem levado à diminuição dos casos de tumores pulmonares.

  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28