sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 290 mortos na tentativa de golpe de Estado na Turquia

Pelo menos 290 pessoas morreram na sequência do golpe de Estado falhado, na passada sexta-feira, na Turquia, anunciou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros turco.

© Murad Sezer / Reuters

"Mais de 100 conspiradores golpistas morreram. As operações continuam. Infelizmente, mais de 190 dos nossos cidadãos encontraram a morte", lê-se na nota, enviada aos jornalistas estrangeiros acreditados na Turquia.

O comunicado refere ainda que há mais de 1.400 feridos e que mais de 6.000 pessoas foram detidas "até agora, em operações contra o grupo terrorista", em referência aos autores do golpe.

"A tentativa de golpe foi realizada, obviamente, pela Organização Terrorista Fethullah Gülen" (FETO), assegura a nota, utilizando a designação com que o Ministério Público se refere, desde o ano passado, à rede de seguidores do imã islamita Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos.

Gülen, antigo aliado do Governo turco, transformado entretanto em adversário, negou qualquer implicação nos acontecimentos. Não se conhecem discursos nem atos violentos aos seguidores de Gülen.

"O golpe falhado é o mais recente ato criminoso que revela o perigo que representa a FETO", considera o comunicado dos Negócios Estrangeiros, que destaca o papel dos cidadãos, mas também o "papel chave" dos meios de comunicação para o fracasso do golpe.

Lusa

  • Erdogan acusa mentores do golpe de serem seguidores de Fethullah Gülen
    1:57

    Mundo

    O golpe de Estado falhado na Turquia foi organizado por um grupo autodenominado "Movimento para a Paz na Nação". Defende mais respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades. É inspirado pelo clérigo Fethullah Gülen exilado nos Estados Unidos e acusado de traição. As organizações próximas a Gülen já negaram qualquer ligação ao golpe, mas o Presidente Erdogan atribui-lhes a culpa.

  • A cronologia de um golpe de Estado falhado
    3:14

    Mundo

    A tentativa de golpe de Estado na Turquia começou por volta das oito e meia da noite, hora de lisboa. As forças fiéis ao Presidente turco conseguiram controlar os revoltosos ao fim de duas horas, e depois de violentos confrontos. Num gesto invulgar, a população veio para as ruas para tentar conter o golpe de Estado.

  • Doze incêndios mobilizam 2.100 operacionais

    País

    Os 12 incêndios que lavram em Portugal esta manhã mobilizam mais de 2.100 operacionais, numa altura em que os fogos de Pedrógrão Grande e Góis estão dados como dominados, mas continuam a mobilizar a maioria dos meios.

  • Seleção de sub-21 precisa de vencer a Macedónia

    Desporto

    A seleção portuguesa de futebol de sub-21 precisa, hoje, de vencer a Macedónia e de marcar pelo menos quatro golos para poder sonhar ainda com a presença nas meias-finais do Europeu da categoria, que decorre na Polónia.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.