sicnot

Perfil

Mundo

Arábia Saudita detém adido militar turco suspeito de ligação ao golpe

As autoridades da Arábia Saudita detiveram o adido militar da Turquia no Kuwait, por suspeita de envolvimento no golpe de Estado falhado de sexta-feira passada contra o Presidente turco, informaram hoje os media locais.

© Baz Ratner / Reuters

O adido, identificado como Mikail Gullu, foi detido num aeroporto na cidade oriental de Dammam, na Arábia Saudita, quando tentava entrar num voo para a Alemanha, segundo as mesmas fontes.

"As autoridades sauditas detiveram o adido militar da embaixada da Turquia no Kuwait", informou o diário Asharq Al-Awsat, que cita uma fonte diplomática estrangeira.

Segundo o jornal, o suspeito foi detido "com base num pedido da Turquia durante a sua tentativa de fuga devido a prováveis ligações ao golpe na Turquia".

O canal de televisão saudita Al-Arabiya confirmou a notícia, citando "fontes sauditas", e acrescentou que Gullu se dirigia para Dusseldorf, na Alemanha, via Amesterdão.

O diário Al-Qabas, do Kuwait, acrescentou que Gullu fugiu do Kuwait para a Arábia Saudita por terra.

O embaixador turco no Kuwait, Salih Morat Tamer, disse ao Al-Qabas que Gullu é suspeito de envolvimento na intentona, mas sublinhou que as acusações ainda têm de ser investigadas quando o detido "for entregue à Turquia".

A Turquia foi alvo de uma tentativa de golpe de Estado na sexta-feira à noite, que oficialmente fez pelo menos 290 mortos, entre os quais mais de 100 golpistas.

O presidente turco, Recep Tayyp Erdogan, pôs em marcha uma "grande limpeza" nas forças armadas e na justiça, que já resultou em mais de 6.000 militares detidos, entre os quais 103 generais e almirantes.

Quase 3.000 mandados de detenção foram emitidos contra juízes e procuradores desde a tentativa de golpe e a direção geral de Segurança da Turquia anunciou também hoje que já suspendeu 7.850 agentes por suspeita de ligação ao golpe falhado.


Lusa

  • Erdogan acusa mentores do golpe de serem seguidores de Fethullah Gülen
    1:57

    Mundo

    O golpe de Estado falhado na Turquia foi organizado por um grupo autodenominado "Movimento para a Paz na Nação". Defende mais respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades. É inspirado pelo clérigo Fethullah Gülen exilado nos Estados Unidos e acusado de traição. As organizações próximas a Gülen já negaram qualquer ligação ao golpe, mas o Presidente Erdogan atribui-lhes a culpa.

  • A cronologia de um golpe de Estado falhado
    3:14

    Mundo

    A tentativa de golpe de Estado na Turquia começou por volta das oito e meia da noite, hora de lisboa. As forças fiéis ao Presidente turco conseguiram controlar os revoltosos ao fim de duas horas, e depois de violentos confrontos. Num gesto invulgar, a população veio para as ruas para tentar conter o golpe de Estado.

  • Mais de 250 mortos na tentativa de golpe na Turquia
    2:29

    Mundo

    O governo turco quer vingança e pondera a reintrodução da pena de morte para executar os responsáveis pela tentativa de golpe de Estado. O dia ficou marcado pela detenção de milhares de militares, em todo o país. Mas o regime turco está também a levar a cabo uma purga no sistema judiciário. Os confrontos mataram mais de 250 pessoas, incluindo pelo menos 150 civis.

  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22