sicnot

Perfil

Mundo

Daesh reivindica ataque no comboio alemão que causou 11 feridos

O Daesh disse hoje que o refugiado afegão que atacou 11 passageiros de um comboio na Alemanha é um dos combatentes do grupo extremista, referiu hoje a agência ligada ao grupo extremista.

Karl-Josef Hildenbrand

"O autor do ataque à faca na Alemanha era um dos combatentes do Daesh", refere a agência Amaq.

Entretanto, um desenho de uma bandeira do Daesh foi encontrado no quarto do cidadão afegão que feriu os onze passageiros de um comboio regional alemão, disse hoje o ministro bávaro do Interior.

O ministro disse ao canal de televisão pública ZDF que além do desenho da bandeira do Daesh, o jovem afegão gritou "Allhah Akbar" quando atacava os passageiros com um machado e uma faca, na segunda-feira à noite.

Onze pessoas foram atingidas pelo atacante, quatro das quais encontram-se em estado de saúde considerado grave.

O ataque aconteceu a bordo de um comboio regional, na cidade de Wuerzburg, na Baviera.

O refugiado afegão, de 17 anos, foi morto pela polícia na sequência do ataque, no momento em que tentava escapar às autoridades.

Com Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.