sicnot

Perfil

Mundo

Turquia cancela todas as licenças de rádio e televisão ligadas a Gulen

As autoridades turcas desmantelaram todas as rádios e televisões com licenças ligadas ao clérigo Fethullah Gulen, exilado nos EUA, acusado por Ancara de estar por detrás do golpe de estado falhado da passada sexta-feira.

© Umit Bektas / Reuters

O provedor dos serviços de radiodifusão disse que cancelou todos os direitos e licenças de transmissão dos 'media' que tinham ligações à FETO/PDY, referindo-se à "Fethullah Terrorist Organisation", o nome depreciativo que o governo dá ao movimento de Gulen.

O clérigo tem negado veementemente e de forma reiterada as acusações da Turquia de que planeou a tentativa de golpe.

A decisão de cancelar as licenças foi feita hoje, durante um encontro extraordinário da Provedoria.

A agência pública Anadolu divulgou os nomes dos 24 canais e estações de rádio afetados e acrescentou que o gabinete de imprensa e de informação do primeiro-ministro (BYEGM) anulou as credenciais de 34 jornalistas que considera serem próximos de Gulen.

"Esta ação que tomamos não deve ser vista como restrição à liberdade de imprensa", disse o vice-presidente do BYEGM, Ekrem Okutan, à agência Anadolu.

Os 'media' com ligações ao clérigo têm estado sob ataque na Turquia.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.