sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas americanos desenvolvem nova técnica para o diagnóstico de Alzheimer

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidas desenvolveu uma técnica de imagiologia no cérebro que será aplicada a doenças como o Alzheimer, segundo a edição de hoje da Science Translational Medicine.

Os resultados da investigação, realizada na Universidade de Yale, em Connecticut, concluíram que através desta técnica será possível diagnosticar distúrbios e doenças cerebrais comuns, não só no caso de Alzheimer como noutras doenças neuro-degenerativas e epilepsia.

A novidade desta técnica é a análise aprofundada das sinapses, isto é, a transmissão dos impulsos nervosos que até então só poderiam ser analisados numa autópsia.

"Esta é a primeira vez que temos medidas de densidade sináptica em seres vivos. Até então as medidas da densidade de sinapses eram 'postmortem'", explicou o professor de radiologia e biomedicina que Richard Carson que liderou a investigação.

Através deste método é possível conhecer o número de sinapses e a sua densidade em cérebro vivos, sendo possível obter muita informação sobre os transtornos cerebrais.

Esta técnica é uma combinação entre a bioquímica e o exame de imagem conhecido como tomografia por emissão de pósitrons (PET), o mais utilizado nos dias de hoje para a doença de Alzheimer.

Desta forma, foi desenvolvido um composto químico que injetado no paciente atua como um marcador radioativo desenhando uma trajetória das reações que ocorrem no cérebro.

Através do exame de diagnóstico PET, os cientistas coletam a "trajetória" que depois decifram através de cálculos matemáticos.

A técnica já foi testada em primatas e em seres humanos, e em ambos os casos foi provada a sua efetividade.

As aplicações potenciais desta investigação são muitas, principalmente para o Alzheimer, uma doença neuro-degenerativa progressiva que se caracteriza pela perda de memória, da fala, controlo emocional e a capacidade de raciocinar e tomar decisões lógicas.

Lusa

  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • Quer conhecer os cães mais feios do mundo?
    1:15

    Mundo

    Na Califórnia, nos Estados Unidos, já foi eleito o cão mais feio do mundo de 2017, num concurso que se repete há 29 anos. Com 57 quilos, Martha recebeu a distinção enquanto ressonava no palco.