sicnot

Perfil

Mundo

Declarado estado de emergência na Turquia

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou esta noite o estado de emergência no país, pelo período de três meses.

Erdogan reuniu esta quarta-feira o Conselho de Segurança Nacional, numa reunião extraordinária no palácio presidencial de Ancara, que durou cinco horas.
Além da proposta de declaração do estado de emergência no país esteve em debate o regresso da pena de morte.
Ao mesmo tempo, continuam a ser afastados de cargos públicos milhares de militares, polícias e outros funcionários, acusados de ligações ao golpe de estado falhado.

O estado de emergência é necessário para "erradicar rapidamente todos os elementos da organização terrorista envolvidos na tentativa de golpe de Estado", afirmou.

A Turquia acusa o grupo do clérigo Fethullah Gulen de estar envolvido no golpe.

O país foi alvo de uma tentativa de golpe de Estado na sexta-feira à noite, mas o Presidente, Recep Erdogan, e Governo recuperaram o controlo do país no sábado.

O último balanço do governo turco aponta para 308 mortos entre revoltosos, civis e forças leais a Erdogan e mais de 1.400 feridos.

Segundo o Presidente, quase 11.000 pessoas foram detidas no âmbito do inquérito à tentativa de golpe de Estado.

Com Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41