sicnot

Perfil

Mundo

UNICEF condena violação de estudante indiana e "cultura hedionda de impunidade"

A UNICEF condenou hoje a violação de uma estudante indiana por um grupo de homens, do qual faziam parte alguns dos que já a tinham violado há três anos, e alertou para a "cultura hedionda de impunidade".

"A violação de uma jovem mulher 'dalit', praticada por um gangue na Índia pelos mesmos cinco homens que a violaram há três anos, vem uma vez mais chamar a atenção para a cultura hedionda de impunidade em torno da violência contra as raparigas e mulheres", disse a conselheira do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para a Igualdade de Género, Anju Malhotra.

A estudante, que pertence à casta dos 'dalit' -- antigamente conhecida como 'intocáveis' -- foi encontrada na quarta-feira inconsciente, num arvoredo que ladeia uma autoestrada no estão de Haryana, no norte da Índia.

A polícia está à procura de cinco homens, identificados pela vítima, acusados de a terem raptado perto da universidade que frequentava. Segundo um responsável da polícia de Haryana, Pushpa Khatri, a rapariga de 21 anos foi drogada e violada num veículo.

Dois dos agressores encontravam-se em liberdade condicional a aguardar julgamento pela violação da mesma mulher em 2013, continuou Pushpa Khatri.

Segundo Anju Malhotra, "cerca de 120 milhões de raparigas no mundo -- ou seja, 1 em cada 10 -- serão sujeitas a violência sexual. A maioria destas raparigas é violada pela primeira vez entre os 15 e os 19 anos".

Para a conselheira da UNICEF para a Igualdade de Género, "a indignação por si só não chega". "É necessário agir neste momento para acabar com esta brutalidade que se tornou rotina e proporcionar às vítimas de violência a justiça e a proteção que merecem", concluiu.

Lusa

  • Solução governativa à esquerda "devolveu tranquilidade à sociedade"
    0:58

    País

    O primeiro-ministro diz que a atual solução de Governo deve continuar tendo vantagens por ser como é. Ao Expresso, António Costa manifestou-se "muito satisfeito" com a solução governativa encontrada e afirmou que esta "não depende de haver ou não maioria" absoluta na próxima legislatura.

  • O regresso a casa depois do incêndio no Sardoal
    2:43