sicnot

Perfil

Mundo

Este ano poderá ser o mais quente da história

As temperaturas médias do mundo bateram recordes no primeiro semestre do ano, por isso 2016 poderá vir a ser considerado o ano mais quente desde existem medições, afirmou hoje a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

A Organização Meteorológica Mundial (OMM), que atua como um braço científico das Nações Unidas e é a autoridade mundial que trata das questões do clima, revelou que os níveis do dióxido de carbono -- o maior causador da mudança climática -- também bateram os recordes entre janeiro e junho.

Neste período, o degelo no Oceano Ártico ocorreu mais cedo e mais rapidamente, com a temperatura média do primeiro semestre deste ano a atingir 1,3 graus Celsius, o que significa que está acima da média da era pré-industrial, nos finais do século XIX.

Junho do ano passado foi o décimo quarto mês consecutivo mais quente, tanto a nível da superfície terrestre como dos oceanos e foi também o trigésimo oitavo mês consecutivo em que as temperaturas estiveram acima da média do século XX.

A última vez em que as temperaturas no mundo estiveram abaixo dessa média foi em dezembro de 1984.

O secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Petteri Taalas, explicou que " a tendência para a mudança climática está a atingir novas escalas, intensificadas pelo forte fenómeno do El Niño entre 2015 e 2016".

Ainda que o El Niño tenha desaparecido, está em causa uma subida de temperaturas devido à produção de gases de efeito de estufa que não tem diminuído, explicou o diretor da Investigação Climática da OMM, David Carlson, numa conferência de imprensa.

A consequência é que o mundo enfrentará mais ondas de calor, chuvas muito intensas e ciclones tropicais de maior impacto, dizem os especialistas.

As concentrações de dióxido de carbono na atmosfera superaram este ano a barreira simbólica de 400 partes por milhões e a tendência é para subir. No oceano Ártico, o calor conduziu ao degelo anual que se produz de forma antecipada.

A Organização Meteorológica Mundial também observou que as chuvas variaram de maneira significativa em todo o mundo.

Enquanto se viveu uma temporada muito seca em Espanha, o norte da Colômbia, o nordeste do Brasil, no Chile, no sul da Argentina e em várias partes da Rússia, registaram-se condições meteorológicas mais húmidas do que o normal no norte da Argentina, no norte e centro da Europa, na Austrália e em várias zonas da Ásia Central e no sul da Ásia.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.