sicnot

Perfil

Mundo

Este ano poderá ser o mais quente da história

As temperaturas médias do mundo bateram recordes no primeiro semestre do ano, por isso 2016 poderá vir a ser considerado o ano mais quente desde existem medições, afirmou hoje a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

A Organização Meteorológica Mundial (OMM), que atua como um braço científico das Nações Unidas e é a autoridade mundial que trata das questões do clima, revelou que os níveis do dióxido de carbono -- o maior causador da mudança climática -- também bateram os recordes entre janeiro e junho.

Neste período, o degelo no Oceano Ártico ocorreu mais cedo e mais rapidamente, com a temperatura média do primeiro semestre deste ano a atingir 1,3 graus Celsius, o que significa que está acima da média da era pré-industrial, nos finais do século XIX.

Junho do ano passado foi o décimo quarto mês consecutivo mais quente, tanto a nível da superfície terrestre como dos oceanos e foi também o trigésimo oitavo mês consecutivo em que as temperaturas estiveram acima da média do século XX.

A última vez em que as temperaturas no mundo estiveram abaixo dessa média foi em dezembro de 1984.

O secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Petteri Taalas, explicou que " a tendência para a mudança climática está a atingir novas escalas, intensificadas pelo forte fenómeno do El Niño entre 2015 e 2016".

Ainda que o El Niño tenha desaparecido, está em causa uma subida de temperaturas devido à produção de gases de efeito de estufa que não tem diminuído, explicou o diretor da Investigação Climática da OMM, David Carlson, numa conferência de imprensa.

A consequência é que o mundo enfrentará mais ondas de calor, chuvas muito intensas e ciclones tropicais de maior impacto, dizem os especialistas.

As concentrações de dióxido de carbono na atmosfera superaram este ano a barreira simbólica de 400 partes por milhões e a tendência é para subir. No oceano Ártico, o calor conduziu ao degelo anual que se produz de forma antecipada.

A Organização Meteorológica Mundial também observou que as chuvas variaram de maneira significativa em todo o mundo.

Enquanto se viveu uma temporada muito seca em Espanha, o norte da Colômbia, o nordeste do Brasil, no Chile, no sul da Argentina e em várias partes da Rússia, registaram-se condições meteorológicas mais húmidas do que o normal no norte da Argentina, no norte e centro da Europa, na Austrália e em várias zonas da Ásia Central e no sul da Ásia.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.