sicnot

Perfil

Mundo

Ex-Presidente das Filipinas libertada após cinco anos detida

A ex-Presidente das Filipinas, Gloria Macapagal Arroyo, saiu hoje do hospital prisional em Manila onde passou cinco anos, dois dias depois de o Tribunal Supremo ter considerado o seu julgamento improcedente.

© Romeo Ranoco / Reuters

A política, de 69 anos, saiu esta manhã do Veterans Memorial Medical Center sem prestar declarações a dezenas de jornalistas e público que esperavam à saída.

Presidente das Filipinas entre 2001 e 2010, Arroyo enfrentava uma acusação de desvio de 366 milhões de pesos (sete milhões de euros) dos cofres da tesouraria estatal, pelo que passou cinco anos num hospital prisional.

O Tribunal considerou a acusação improcedente por falta de provas na terça-feira.

A defesa de Gloria Macapagal Arroyo considerou que o processo ficou marcado por "tentativas desonestas de perseguição política".

Por outro lado, vários juristas da acusação mostraram-se surpreendidos pela decisão do Tribunal Supremo, que alguns consideraram como precipitada.

"Podemos apresentar provas firmes em mais de 630 documentos e testemunhos de muitas pessoas", disse na quarta-feira a representante do Ministério Público, Conchita Carpio-Morales, que não descartou a possibilidade de a ex-Presidente voltar a ser presa.

Em 2011, foi detida por presumível fraude nas eleições legislativas de 2007, uma acusação punível com a prisão perpétua.

Pouco tempo antes de ser presa, entrou com problemas de saúde no Veterans Memorial Medical Center.

Apesar de ter sido libertada em julho de 2012, voltou a ser detida três meses depois, com as acusações que agora o Tribunal rejeitou.

A ex-chefe de Estado é acusada também de tráfico de influências em relação a um contrato público no valor de aproximadamente 299 milhões de euros com a empresa de telecomunicações chinesa ZTE, para instalação de uma rede nacional de internet de alta velocidade.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.