sicnot

Perfil

Mundo

Jornalista mexicano assassinado à frente da família

Em fevereiro de 2016, foram expostas fotos de jornalistas assassinados como forma de protesto contra a onda de assassinatos contra jornalistas em Veracruz, no México.

© Edgard Garrido / Reuters

Um jornalista mexicano foi assassinado a tiro à frente da sua mulher e de dois filhos em Tierra Blanca, Estado de Veracruz no México, um país que continua a figurar como um dos mais perigosos para os media.

Pedro Tamayo Rosas, 45 anos, que trabalhava para dois jornais de Veracruz - Al Calor Politico e Piñero de la Cuenca -, foi assassinado à saída de sua casa no munícipio de Tierra Blanca - um dos mais afetados do Estado de Veracruz pela violência do narcotráfico - por dois agressores, que a seguir se colocaram em fuga, indicou a polícia local através de um comunicado, citado pela agência France Presse.

Pedro Tamayo acompanhou em junho de 2014 a descoberta de várias fossas clandestinas de onde 35 pessoas foram exumadas, provavelmente vítimas de um cartel de droga, Los Zetas, muito poderoso em Veracruz, um Estado mexicano minado pela violência.

O jornalista tinha sido colocado sob proteção da polícia depois de ter sido ameaçado em janeiro último.

Desde o início do ano, a organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras contabiliza já o assassinato de nove jornalistas no México, país onde mais de mais de 90 jornalistas foram mortos e 17 estão dados como desaparecidos desde 2000.


Lusa

  • Lixo, para que te quero?
    23:17
  • Tuk-tuk em protesto oferecem hoje passeios gratuitos em Lisboa

    País

    A Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) promove hoje a iniciativa "Cá vai Lisboa", com passeios gratuitos de tuk-tuk, para alertar a população para a "problemática" regulamentação municipal deste tipo de veículos.

  • Ricardo Robles apresentado como candidato do BE a Lisboa
    1:31

    Autárquicas 2017

    Ricardo Robles foi formalmente apresentado este sábado como candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Lisboa. No encerramento da convenção autárquica do partido, Catarina Martins fez críticas ao Governo, dizendo que o projeto de descentralização do Executivo é perigoso e ameaça a democracia.

  • Pavilhão Carlos Lopes esteve encerrado durante 14 anos
    2:27