sicnot

Perfil

Mundo

Jornalista mexicano assassinado à frente da família

Em fevereiro de 2016, foram expostas fotos de jornalistas assassinados como forma de protesto contra a onda de assassinatos contra jornalistas em Veracruz, no México.

© Edgard Garrido / Reuters

Um jornalista mexicano foi assassinado a tiro à frente da sua mulher e de dois filhos em Tierra Blanca, Estado de Veracruz no México, um país que continua a figurar como um dos mais perigosos para os media.

Pedro Tamayo Rosas, 45 anos, que trabalhava para dois jornais de Veracruz - Al Calor Politico e Piñero de la Cuenca -, foi assassinado à saída de sua casa no munícipio de Tierra Blanca - um dos mais afetados do Estado de Veracruz pela violência do narcotráfico - por dois agressores, que a seguir se colocaram em fuga, indicou a polícia local através de um comunicado, citado pela agência France Presse.

Pedro Tamayo acompanhou em junho de 2014 a descoberta de várias fossas clandestinas de onde 35 pessoas foram exumadas, provavelmente vítimas de um cartel de droga, Los Zetas, muito poderoso em Veracruz, um Estado mexicano minado pela violência.

O jornalista tinha sido colocado sob proteção da polícia depois de ter sido ameaçado em janeiro último.

Desde o início do ano, a organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras contabiliza já o assassinato de nove jornalistas no México, país onde mais de mais de 90 jornalistas foram mortos e 17 estão dados como desaparecidos desde 2000.


Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.