sicnot

Perfil

Mundo

Líderes estudantis de Hong Kong declarados culpados por protesto que iniciou Occupy em 2014

Reuters

O líder estudantil de Hong Kong, Joshua Wong e outros dois ativistas foram hoje considerados culpados de reunião ilegal num protesto que esteve na origem de manifestações pró-democracia e na ocupação das ruas da cidade em 2014.

Joshua Wong, de 19 anos, Alex Chow, de 25 anos, e Nathan Law, de 23 anos, foram considerados culpados de reunião ilegal para invadir a sede do Governo de Hong Kong a 26 de setembro de 2014, dois dias antes do início do movimento Occupy, que ocupou as ruas da cidade durante 79 dias.

Líder do já extinto movimento Scholarism, que juntou estudantes do ensino secundário, Joshua Wong e Alex Chow, antigo presidente da Federação de Estudantes de Hong Kong, foram considerados culpados de reunião ilegal e de terem desrespeitado, com outros estudantes, as barreiras metálicas para entrar no interior do complexo governamental.

Já Nathan Law foi considerado culpado de incitar outros a juntarem-se à ação.

O protesto, no local também conhecido pelo nome de Praça Cívica, aumentou de dimensão, culminando no lançamento do movimento de desobediência civil Occupy Central.

Dois dias mais tarde a polícia recorreu a gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes, o que acabou por desencadear a ocupação das ruas em várias zonas da cidade até meados de dezembro.

A sentença deverá ser conhecida a 15 de agosto. Joshua Wong pode ser condenado até cinco anos de prisão, segundo a agências de notícias AFP.

Em junho, Joshua Wong foi absolvido noutro caso, relativo a um protesto anti-China, o primeiro de uma série de processos contra o ativista a ter veredito.

No mesmo processo foram também absolvidos os ativistas Nathan Law, Raphael Wong e Albert Chan, que tinham sido acusados de obstrução à polícia.

Joshua Wong e Nathan Law integram o partido político Demosisto, fundado este ano após a extinção do Scholarism com o objetivo de apresentar candidatos às eleições para o Conselho Legislativo (LegCo) de Hong Kong, marcadas para 04 de setembro.

Lusa

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.

  • Sol e bom tempo são pilares da economia algarvia
    3:21

    SIC 25 Anos

    Na capital da região algarvia, o ouro vem do céu. O sol brilha em média 300 dias por ano, o que faz do Algarve o maior destino de férias em Portugal e um dos destinos turísticos mais procurados da Europa, sobretudo nos últimos tempos. É a âncara da economia e da criação de emprego.