sicnot

Perfil

Mundo

Parlamento francês aprova nova lei do trabalho

O polémico projeto de lei sobre a reforma laboral francês foi hoje automaticamente aprovado, depois de o Governo do Presidente, François Hollande, ter acionado um mecanismo constitucional, que evita a votação no parlamento.

"Por não ter sido apresentada nenhuma moção de censura (...) o projeto de lei é adotado em leitura definitiva", anunciou o presidente da Assembleia Nacional, Claude Bartolone.

Perante a falta de maioria absoluta ente os deputados para conseguir a aprovação do texto, o primeiro-ministro, Manuel Valls, recorreu quarta-feira, pela terceira vez, ao artigo 49.3 da Constituição que permite que não exista votação.

O artigo abre a porta a apresentação de uma moção de censura, mas os deputados que se opõem à reforma laboral não a apresentaram.

A nova lei do trabalho francesa provocou protestos, manifestações e greves.

Lusa

  • PM francês admite alterações à lei do trabalho ao 8º dia de protestos
    0:33

    Economia

    No oitavo dia de protestos contra as alterações à lei do trabalho em França, o primeiro- ministro Manuel Valls admitiu a possibilidade de serem feitas alterações à polémica lei. Aprovada no início do mês, a legislação tem gerado grande contestação. Por todo o país há bloqueios de autoestradas. Há refinarias e centrais nucleares fechadas e centenas de voos foram cancelados. Os sindicatos querem que o Governo volte atrás, alegando que o diploma retira direitos e salários, aumentando a precariedade.

  • Manifestações contra reforma da lei laboral em França terminam com 26 feridos
    0:43

    Mundo

    Pelo menos 26 pessoas ficaram feridas e quinze foram detidas em Paris, durante uma manifestação contra a reforma da lei do trabalho. As mudanças estão em fase de debate e o protesto foi organizado por vários sindicatos e por organizações de estudantes que dizem que as alterações vão levar à perda de direitos dos trabalhadores. Na Praça dos Inválidos, na capital francesa, os confrontos com a polícia. As autoridades responderam com gás lacrimógeneo. As greves de hoje fecharam a Torre Eiffel e interromperam ligações de transportes, numa altura em que milhares de adeptos estão em trânsito, em França, para assistir aos jogos do Euro 2016. Os protestos estenderam-se a outras cidades do país. O correspondente do Expresso em Paris, Daniel Ribeiro, relatou, por telefone, o que se passa por esta altura nas ruas de França.

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".