sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 43 civis morreram em bombardeamentos na Síria

© Ammar Abdullah / Reuters

Pelo menos 43 civis, incluindo 11 crianças, morreram hoje na sequência de bombardeamentos em várias áreas dominadas pelos rebeldes na Síria, disse o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Segundo a organização, pelo menos 13 pessoas, entre as quais três crianças, foram mortas em ataques aéreos e bombardeamentos pelas forças do Governo, na região de Gouta (leste), próxima da capital, Damasco.

Uma das áreas atingidas é Douma, onde o mercado central foi bombardeado, relatou um fotógrafo da agência France-Presse.

Outras operações do Governo atacaram dois bairros na zona leste da cidade de Alepo, detida pelos rebeldes, causando a morte a 15 pessoas, das quais seis crianças, relatou o Observatório.

Os bairros dominados pela oposição em Alepo tem estado sob sitiados nas duas últimas semanas, depois de as forças governamentais terem avançado sobre a única rota de ligação à zona leste da cidade.

Desde então, as forças do regime dominaram parte da estrada, isolando completamente o leste da cidade.

O Observatório também apontou a morte de 15 civis em ataques aéreos na cidade de Tal Manas, na província de Idlib (noroeste), mas não conseguiu apurar se foram realizados pelo exército sírio ou pela aliada Rússia.

A organização, que se baseia numa rede de informadores que se encontram na Síria, identifica os autores dos ataques com base no tipo de avião, localização, padrões de voo e munições envolvidas.

Aliada chave do Governo de Bashar al-Assad, a Rússia tem realizado ataques aéreos na Síria desde setembro passado.

Mais de 280 mil pessoas morreram na Síria, e mais de metade da população está deslocada, desde que o conflito começou, com protestos anti-governo, em março de 2011.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.