sicnot

Perfil

Mundo

Brasil contou com a ajuda de seis países para deter suspeitos de planear ataque

Brasil contou com a ajuda de seis países para deter suspeitos de planear ataque

A polícia brasileira contou com a ajuda de vários países para conseguir deter dez pessoas suspeitas de estarem a planear um ataque terrorista no Brasil.

A informação foi revelada pelo ministro da Justiça, que afirmou que os serviços de inteligência dos Estados Unidos da América, França, Bélgica, Inglaterra, Argentina e Paraguai prestaram apoio ao Brasil, ao trocarem informações sobre os suspeitos.

Cada um dos suspeitos estava num estado brasileiro diferente e trocavam mensagens através das redes sociais.

A polícia federal descobriu não só um plano para um atentado, mas também para compra de armamento.

Raul Jungmann avançou ainda que o grupo era amador e que a maioria das pessoas não se conhecia pessoalmente, à exceção de dois homens que cumpriram pena de prisão juntos, por homicídio.

O Governo brasileiro revela também que já estava a investigar as atividades do grupo.

  • Brasileiros preocupados com segurança no país
    0:40

    Rio 2016

    Numa altura em que se fazem os últimos preparativos para os Jogos Olímpicos, os brasileiros mostram-se preocupados com a segurança no país. Ainda mais após a detenção de dez suspeitos que planeavam um ataque ao Rio 2016.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.