sicnot

Perfil

Mundo

Detido "braço direito" de Fethullah Gülen na Turquia

© Kenan Gurbuz / Reuters

As forças de segurança turcas prenderam Hails Hanci, um colaborador de Fethullah Gülen, exilado político nos EUA que Ancara acusa de ser o mentor do golpe de Estado falhado de 15 de julho, anunciou hoje um responsável oficial.

As forças de segurança do país prenderam Hails Hanci na província de Trabzon, no norte da Turquia, junto ao Mar Negro, que classificou o colaborador de "braço direito" de Gülen.

Também hoje, a Anadolu, agência noticiosa pró governamental, divulgou que as autoridades turcas detiveram Muhammet Sait Gülen, sobrinho de Fethullah Gülen, capturado em Erzurum, no nordeste do país, no âmbito do inquérito sobre a tentativa de golge de Estado.

É a primeira vez que um familiar de Fethullah Gülen é relacionado com o golpe de Estado.

A região de Erzurum é apontada como abrigo de vários apoiantes e membros do movimento Hizmet de Fethullah Gülen, que as autoridades turcas dizem ter estado por detrás da tentativa de golpe de Estado.

O exilado na Pensilvânia já negou ter sido o mentor da iniciativa.

Em maio, outro sobrinho do Fethullah Gülen foi detido num processo relacionado com as escolas geridas pelo movimento, referia a agência Anadolu.

Um decreto-lei sobre o estado de emergência hoje publicado na Turquia refere que o período de detenção dos suspeitos envolvidos na tentativa falhada do golpe de Estado pode prolongar-se até 30 dias.

O período legal que uma pessoa poderá estar detida antes de ser presente ao juiz na Turquia é de quatro dias.

Na sexta-feira, o ministro da Justiça turco, Bekir Bozdag, admitiu estender por mais tempo o estado de emergência decretado na quarta-feira por três meses.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou, também na sexta-feira, que 11 mil pessoas foram detidas devido a ligações com o golpe de Estado, que provocou 265 mortos.

O decreto-lei também dissolve milhares de estruturas e instituições, incluindo organizações ligadas à educação e relacionados com Fetullah Gülen.

Lusa

  • Nunca mais
    9:16