sicnot

Perfil

Mundo

Ataque dos rebeldes causam pelo menos oito mortos em Damasco

Um ataque das forças rebeldes com 'rockets' no centro da capital da Síria, Damasco, provocou pelo menos oito mortos e mais de 20 feridos, revelou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Os disparos foram feitos a partir da periferia de Damasco pelos combatentes rebeldes e atingiram vários bairros do centro histórico de Damasco, relatou à agência de notícias francesa (AFP) o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

Esta organização não-governamental (ONG) informou que há registo de vítimas mortais nos bairros de Bab Touma, Bab As-Salama e Qaymariyé, onde foi atingido um restaurante.

A agência de notícias oficial síria, Sana, apontou para um saldo de cinco mortos e 16 feridos, citando fonte policial.

É a primeira vez em vários meses que as forças rebeldes atacam a capital síria a partir dos seus subúrbios.

Já os soldados do regime de Bashar al-Assad bombardeiam regularmente as zonas controladas pelos insurgentes, incluindo a sua maior fortaleza, Ghouta, uma província na zona oriental de Damasco.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".