sicnot

Perfil

Mundo

Centenas de mulheres na Argentina amamentam filhos em público em protesto

© Enrique Marcarian / Reuters

Centenas de mulheres na Argentina amamentaram os filhos em locais públicos no sábado, incluindo apresentadoras de televisão em emissões em direto, num protesto por a polícia ter proibido uma mãe de o fazer numa praça na semana passada.

O apelo à amamentação em público no sábado teve resposta em diversas cidades do país, segundo relatam os meios de comunicação social argentinos.

O protesto surgiu depois de na semana passada duas mulheres polícias terem proibido uma mãe de amamentar o filho de nove meses numa praça da localidade de San Isidro (a 20 quilómetros de Buenos Aires).

Em San Isidro, 50 mulheres amamentaram os filhos e centenas de pessoas manifestaram-se a seu lado para reivindicar o direito à amamentação em locais públicos.

"Lamentavelmente, a polícia não tem uma formação muito boa. Foram formados para a repressão e não para a prevenção e a segurança da sociedade. É preciso mudar isto e este gesto é maravilhoso", disse o prémio Nobel da Paz de 1980, Adolfo Pérez Esquível, citado por meios de comunicação social locais.

A Unicef (agência das Nações Unidas para a infância) na Argentina somou-se à causa e publicou uma mensagem na rede social Twitter em que afirma que "Estado, equipas de saúde, família e comunidade devem promover iniciativas para defender a amamentação", que sublinha ser "um direito fundamental".

Numa televisão local as apresentadoras da estação amamentaram os filhos em direto e nas redes sociais milhares de mulheres publicaram fotografias a alimentarem as suas crianças.

Lusa

  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.