sicnot

Perfil

Mundo

Governo do Afeganistão proíbe protestos públicos durante 10 dias

© Omar Sobhani / Reuters

O Governo do Afeganistão proibiu a realização de protestos públicos durante dez dias por razões de segurança, depois do ataque suicida contra uma manifestação que provocou pelo menos 80 mortos e 230 feridos, informaram hoje fontes oficiais.

A proibição abrange todo o Afeganistão e incluiu "reuniões públicas e protestos", disse o porta-voz do Ministério do Interior do Afeganistão, citado pela agência Efe.

O porta-voz adiantou que a proibição pretende "assegurar a segurança de todos os cidadãos", nomeadamente durante os funerais das vítimas do ataque, que devem realizar-se nos próximos dias.

Em comunicado, o Ministério do Interior assegurou que foram usados todos os "serviços e capacidades" para garantir a segurança na manifestação de sábado, mas os atacantes aproveitaram um "período mínimo e uma situação delicada" para atacar.

Apesar da proibição, o movimento que organizou a manifestação de sábado em Cabul anunciou que vai organizar novos protestos e pediu o apoio dos afegãos "nesta situação sensível".

O ataque suicida, reivindicado pelo grupo terrorista Daesh, teve como objetivo uma manifestação pacífica da minora étnica hazara, que protestava por um projeto elétrico do Governo.

Lusa

  • Uma viagem pela Estrada Nacional 236
    2:52
  • A reconstrução depois da tragédia de Pedrógão
    2:43
  • Marcelo reúne-se na quarta-feira com Putin

    País

    O Presidente da República reúne-se na quarta-feira, em Moscovo, com o líder russo, Vladimir Putin, informou este domingo a Presidência. Marcelo Rebelo de Sousa estará na capital da Federação Russa para assistir ao jogo da seleção portuguesa na fase final do Mundial de Futebol com a equipa de Marrocos

  • Novo busto de Ronaldo foi pedido pelo Museu CR7
    2:07
  • Grécia e Macedónia assinam acordo histórico
    2:02

    Mundo

    A Grécia e a Macedónia assinaram um acordo histórico para mudar o nome da antiga República Jugoslava para República da Macedónia do Norte. Em causa está um problema diplomático entre os dois países que dificultou os planos da Macedónia em aderir à União Europeia e às Nações Unidas.