sicnot

Perfil

Mundo

Quatro hospitais na Síria atingidos por bombardeamentos nas últimas 24 horas

© Bassam Khabieh / Reuters

Quatro hospitais de campanha e um banco de sangue na cidade síria de Alepo foram atingidos por bombardeamentos aéreos nas últimas 24 horas, de acordo com um grupo de médicos no local.

Um recém-nascido foi morto num desses hospitais localizados no setor leste de Alepo, controlada pelos rebeldes, informou a Associação de Médicos Independentes (IDA), que apoia centros médicos naquela cidade.

Os bairros a leste da cidade estão completamente sitiados desde 17 de julho pelas forças do Presidente Bashar al-Assad, que controlam a região oeste de Alepo, que está dividida desde 2012.

O fornecimento de oxigénio foi cortado depois do ataque, às 23:00 de sábado em Lisboa, sendo a segunda investida aérea em nove horas sobre a região, segundo a IDA.

A organização indicou ainda que os hospitais atingidos -- o hospital de crianças e os centros de Al-Bayan, Al-Zahraa e Al-Daqaq -- estão agora todos fora de serviço devido "a uma série de ataques aéreos (...) levados a cabo por aviões sírios e russos".

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Síria é um dos países mais perigosos para os trabalhadores da área da saúde em 2015.

No último mês, vários hospitais foi destruídos e pessoal médico morto nos bairros do leste de Alepo.

Desde 2011, o conflito sírio fez mais de 280 mil mortos e forçou milhões de pessoas a fugirem do país.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada desde domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.