sicnot

Perfil

Mundo

Secretário-geral da ONU condena ataque "desprezível" em Cabul

© Sergei Karpukhin / Reuters

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, condenou hoje o "desprezível" atentado ocorrido este sábado em Cabul que causou pelo menos 80 mortos.

O ataque suicida, reivindicado pelo grupo terrorista autodenominado de Daesh, teve como objetivo uma manifestação pacífica da minora étnica hazara, que protestava por um projeto elétrico do governo.

No atentado participaram três atacantes, segundo as autoridades afegãs. Um deles fez explodir os explosivos que tinha no corpo, o segundo falhou a sua intenção de ativar os que transportava e o terceiro foi abatido por forças de segurança.

"Este desprezível crime teve como objetivo cidadãos que pacificamente exerciam os seus direitos humanos fundamentais", afirmou Ban Ki-moon através do seu porta-voz que distribuiu a declaração durante uma conferência de imprensa.

O titular da ONU transmitiu o seu pesar às famílias das vítimas, expressou a sua solidariedade com o povo do Afeganistão e pediu que "os responsáveis deste ataque sejam levados perante a justiça".

Com Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.