sicnot

Perfil

Mundo

Verizon chega a acordo para a compra da Yahoo

O grupo de telecomunicações norte-americano Verizon vai adquirir a Yahoo por 4,8 mil milhões de dólares (4,4 mil milhões de euros), numa operação que vai ser tornada pública na segunda-feira, segundo o The Wall Street Journal.

O jornal assegura que o negócio engloba a atividade principal do Yahoo, a internet, e os seus ativos imobiliários, citando fontes próximas da operação.

A Yahoo atravessa uma longa crise há já vários anos, que levou a uma forte desvalorização do seu valor de mercado, que chegou a superar os 125 mil milhões de dólares (114 mil milhões de euros).

Com a incorporação da Yahoo, a Verizon - a maior empresa de telecomunicações móveis dos Estados Unidos (EUA), procura reforçar a sua estratégia focada nos meios digitais e na publicidade.

Vários meios de comunicação norte-americanos vinham noticiando desde sexta-feira que a Verizon restava com a última opção na operação de venda da Yahoo, que procura há bastante tempo um comprador para o seu negócio principal de internet.

Atualmente, a capitalização bolsista da Yahoo ascende a 36 mil milhões de dólares (33 mil milhões de euros), mas o grosso desse valor é atribuído às suas participações no grupo chinês de comércio eletrónico Alibaba e na Yahoo Japão, e não ao seu negócio da internet.

A Yahoo apresentou recentemente um prejuízo de 537 milhões de dólares (489 milhões de euros) no primeiro semestre, montante que compara com o lucro de 2,9 milhões de dólares (2,6 milhões de euros) obtido em igual período do ano passado.

Lusa

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.