sicnot

Perfil

Mundo

Alemanha rejeita "suspeita generalizada" contra refugiados

© Michaela Rehle / Reuters

O ministro do Interior alemão rejeitou hoje toda "suspeita generalizada" em relação aos refugiados depois dos atentados ou agressões dos últimos dias na Alemanha.

"Não devemos colocar os refugiados sob uma suspeita generalizada, mesmo se há processos, em casos isolados" contra alguns deles, declarou Thomas de Maiziere ao grupo de media Funke, em relação aos recentes ataques.

O sírio, de 27 anos, morto na explosão da bomba que transportava, no domingo à noite, perto de um festival de música em Ansbach (sul), tinha requerido asilo, mas o pedido foi rejeitado há um ano. De acordo com as autoridades locais, o objetivo era cometer um atentado suicida

Berlim indicou que o homem estava prestes a ser expulso para a Bulgária.

Há uma semana, outro requerente de asilo, que se apresentou como afegão, feriu vários passageiros de um comboio com um machado e uma faca, em Wurtzburgo (sul), num ataque que afirmou ter cometido em nome do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

No domingo, um requerente de asilo sírio de 21 anos matou uma mulher de 45 anos com uma machadada na cabeça, num caso passional, indicou a polícia alemã.

Maiziere lembrou que os 59 processos por suspeita de pertença a organizações terroristas estão atualmente a decorrer na Alemanha e implicam refugiados, apesar de terem chegado "várias centenas de milhares" ao país.

A porta-voz adjunta do governo alemão, Ulrike Demmer, indicou que o risco criminal representado pelos refugiados no país não era proporcionalmente "maior do que no resto da população".

O ministro do Interior defendeu um reforço das verificações dos migrantes que entram no país pelos serviços de segurança, sublinhando os esforços de Berlim para levar o número de migrantes que chegam à Alemanha "a um nível baixo e sustentável".

No ano passado, a Alemanha recebeu o número recorde de um milhão de refugiados, principalmente em fuga da guerra na Síria.

Lusa

  • Sírio que se fez explodir em Ansbach vivia há dois anos na Alemanha
    2:12

    Mundo

    O bombista suicida sírio que se fez explodir este domingo, à porta de um festival de música na Baviera, vivia há dois anos na Alemanha e há cerca de um ano foi-lhe negado um pedido de asilo no país. Doze pessoas ficaram feridas, três das quais em estado grave. As autoridades estão a investigar as causas do ataque.

  • "Almaraz: Uma bomba-relógio aqui ao lado"
    1:56
  • S. João do Porto sem balões
    2:36

    País

    No Porto, milhares de pessoas foram para a rua festejar o São João. Este ano houve tolerância zero no lançamento de balões, por causa do risco de incêndio. O fogo de artifício começou com mais de 15 minutos de atraso.

  • Mais de 100 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.