sicnot

Perfil

Mundo

Governo turco inicia ofensiva contra os media

© REUTERS FILE PHOTO / Reuters

Mais de 40 jornalistas foram hoje as novas vítimas da purga lançada pelo Presidente da Turquia, que recebeu os líderes da oposição para analisar as consequências da tentativa de golpe de Estado de 15 de julho.

A justiça turca emitiu mandados de captura contra 42 jornalistas, algumas horas depois de ter colocado sob detenção preventiva 40 militares em Istambul, nos últimos episódios da purga desencadeada após o golpe de Estado falhado.

Num raro gesto de unidade, Recep Tayyip Erdrogan começou a reunir-se, a meio do dia, com o dirigente do Partido Republicano do Povo (CHP, centro-esquerda), Kamal Kiliçdaroglu - que tinha jurado nunca pôr os pés no palácio presidencial - e o do Partido de Ação Nacionalista (MHP, direita), Devlet Bahceli.

O líder do HDP pró-curdo, Selahattin Demirtas, regularmente apelidado pelo presidente "de terrorista" pelas alegadas ligações com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), não foi convidado.

Depois da tentativa de golpe de Estado na Turquia, mais de 13 mil pessoas estão em detenção preventiva e 5.800 estão detidos, quando Ancara lançou uma caça às bruxas contra os simpatizantes do religioso exilado nos Estados Fethullah Gullen, acusado de ter planeado o golpe, a mais grave ameaça em 13 anos de pode de Erdogan.

Cerca de 50 mil funcionários foram suspensos ou demitidos.

Entre os 42 jornalistas, cinco foram já detidos e 11 terão deixado o país, garantiu a agência noticiosa privada Dogan. A polícia efetuava buscas na estância balnear de Bodrum (oeste) Nazli Ilicak, uma das jornalistas mais destacada no mundo dos media na Turquia.

Ilicak foi demitida do diário pró-governamental Sabah, em 2013, por ter criticado ministros implicados num escândalo de corrupção.

No sábado, em entrevista à televisão France24, Erdogan advertiu: "Se os media apoiarem o golpe de Estado, quer sejam media audiovisuais ou outros, pagarão o preço".

A 19 de julho, o regulador turco dos media audiovisuais retirou a licença a numerosas cadeias de televisão e rádio, suspeitas de apoio à rede de Gulen.

A polícia deteve também 40 suspeitos da academia militar de Istambul, anunciou a agência pró-governamental Anadolu.

Trinta e um universitários, incluindo professores, encontram-se detidos preventivamente na sequência de operações nos meios alegadamente apoiantes de Gulen, em Istambul, indicou a Dogan.


Lusa

  • Presidente do Sporting vai processar um dos sócios do clube
    0:42

    Desporto

    Bruno de Carvalho anunciou esta sexta-feira que vai processar o sócio José Pedro Rodrigues. O presidente do Sporting acusa o sócio de ter posto a circular um documento falso que revelava que Bruno de Carvalho estaria a ser investigado por causa das transferências de Bruno César e Alan Ruiz. O caso fez Bruno de Carvalho tomar uma decisão sobre o futuro.

  • Bruno de Carvalho contra almoço de Dias da Cunha e Menezes Rodrigues com Luís Filipe Vieira
    1:17

    Desporto

    Bruno de Carvalho insurgiu-se, esta sexta-feira, contra Dias da Cunha e Menezes Rodrigues por terem estado, em Setúbal, num almoço com Luís Filipe Vieira. Durante o discurso na Assembleia-geral do clube, o presidente dos leões considerou lamentável a atitude dos dois sportinguistas numa altura em que o Benfica é acusado pelos rivais de poder estar envolvido num alegado esquema de corrupção e tráfico de influências.

  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho. 

  • Johnny Depp pede desculpa por piada a sugerir assassínio de Trump

    Mundo

    Johnny Depp pediu esta sexta-feira desculpa por ter feito uma piada sobre assassinar Donald Trump, durante a sua atuação no Festival de Glastonbury, em Inglaterra. "Quando foi a última vez que um ator assassinou um Presidente?", foi assim que o ator e músico falou para a multidão que o estava a ver. Contudo, as declarações não foram bem recebidas pela Casa Branca, que emitiu um comunicado a condenar as palavras.