sicnot

Perfil

Mundo

Governo turco inicia ofensiva contra os media

© REUTERS FILE PHOTO / Reuters

Mais de 40 jornalistas foram hoje as novas vítimas da purga lançada pelo Presidente da Turquia, que recebeu os líderes da oposição para analisar as consequências da tentativa de golpe de Estado de 15 de julho.

A justiça turca emitiu mandados de captura contra 42 jornalistas, algumas horas depois de ter colocado sob detenção preventiva 40 militares em Istambul, nos últimos episódios da purga desencadeada após o golpe de Estado falhado.

Num raro gesto de unidade, Recep Tayyip Erdrogan começou a reunir-se, a meio do dia, com o dirigente do Partido Republicano do Povo (CHP, centro-esquerda), Kamal Kiliçdaroglu - que tinha jurado nunca pôr os pés no palácio presidencial - e o do Partido de Ação Nacionalista (MHP, direita), Devlet Bahceli.

O líder do HDP pró-curdo, Selahattin Demirtas, regularmente apelidado pelo presidente "de terrorista" pelas alegadas ligações com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), não foi convidado.

Depois da tentativa de golpe de Estado na Turquia, mais de 13 mil pessoas estão em detenção preventiva e 5.800 estão detidos, quando Ancara lançou uma caça às bruxas contra os simpatizantes do religioso exilado nos Estados Fethullah Gullen, acusado de ter planeado o golpe, a mais grave ameaça em 13 anos de pode de Erdogan.

Cerca de 50 mil funcionários foram suspensos ou demitidos.

Entre os 42 jornalistas, cinco foram já detidos e 11 terão deixado o país, garantiu a agência noticiosa privada Dogan. A polícia efetuava buscas na estância balnear de Bodrum (oeste) Nazli Ilicak, uma das jornalistas mais destacada no mundo dos media na Turquia.

Ilicak foi demitida do diário pró-governamental Sabah, em 2013, por ter criticado ministros implicados num escândalo de corrupção.

No sábado, em entrevista à televisão France24, Erdogan advertiu: "Se os media apoiarem o golpe de Estado, quer sejam media audiovisuais ou outros, pagarão o preço".

A 19 de julho, o regulador turco dos media audiovisuais retirou a licença a numerosas cadeias de televisão e rádio, suspeitas de apoio à rede de Gulen.

A polícia deteve também 40 suspeitos da academia militar de Istambul, anunciou a agência pró-governamental Anadolu.

Trinta e um universitários, incluindo professores, encontram-se detidos preventivamente na sequência de operações nos meios alegadamente apoiantes de Gulen, em Istambul, indicou a Dogan.


Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.