sicnot

Perfil

Mundo

Nova Zelândia quer exterminar ratos e doninhas até 2050

© Pring Samrang / Reuters

O Governo da Nova Zelândia anunciou o "primeiro projeto do mundo" de extermínio total de ratazanas, doninhas e gambás. Até 2050, espera o Governo, o país estará completamente livre destes predadores de aves.

"A nossa ambição é que em 2050 todas as regiões da Nova Zelândia estejam livre de ratos, doninhas e gambás. É o programa de conservação mais ambicioso do mundo, mas acreditamos que se trabalharmos em conjunto enquanto país conseguimos", declarou o primeiro-ministro.

"Os ratos, doninhas e gambás matam 25 milhões das nossas aves nativas todos os anos, bem como outras espécies como os lagartos e, como em tudo no nosso ambiente, temos de fazer mais para protegê-los", acrescentou John Key.

O objetivo foi anunciado a par de uma injeção de financiamento no valor de mais de 25 milhões de euros.

Os métodos atuais de controlo das pragas na Nova Zelândia incluem o uso controverso do veneno 1080, caça terrestre de doninhas e as armadilhas com isco.

A Nova Zelândia é líder mundial na erradicação das ratazanas da paisagem natural. O desafio vai ser, agora, nas cidades.

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15