sicnot

Perfil

Mundo

ONU alerta para número recorde de vítimas civis no Afeganistão

© Mohammad Ismail / Reuters

A missão das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA) alertou hoje para o "número recorde de vítimas civis" no país no primeiro semestre do ano, com 5.166 mortos e feridos.

A UNAMA precisa, num relatório, que foram registados 1.601 mortos civis e 3.565 feridos nos primeiros seis meses do ano, mais 4% do que no mesmo período de 2015, e que "um terço das vítimas são crianças", das quais 388 morreram.

Segundo a missão da ONU, estes números são os mais elevados desde 2009, quando começou a fazer a contagem das vítimas civis do conflito no Afeganistão.

O relatório refere que 60% foram vítimas de ações dos insurgentes, 23% das tropas afegãs, 2% de grupos armados pró-governamentais e 1% das forças internacionais. Há ainda 13% de vítimas de várias partes e 4% de explosivos abandonados.

A UNAMA realça que as vítimas de ações insurgentes diminuíram 11%, mas as causadas pelas forças afegãs aumentaram 47%.

A missão da ONU refere ainda o aumento de 110% das vítimas de operações aéreas, que fizeram 57 mortos e 104 feridos.

O exército do Afeganistão tem aumentado a sua capacidade aérea e pela primeira vez desde 2009 as vítimas de operações das forças aéreas afegãs (111) são mais do que as causadas pelas forças estrangeiras (50).

O relatório manifesta também preocupação com o crescente número de vítimas civis do grupo terrorista Daesh: 122 face a 13 no primeiro semestre do ano passado.

Desde 2009, a UNAMA contabilizou 22.941 civis mortos e 40.933 feridos no Afeganistão.


Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41