sicnot

Perfil

Mundo

Petróleo rende 698 M€ a Angola em junho, barril nos 45 dólares pela 1ª vez

© Ed Cropley / Reuters

As receitas fiscais petrolíferas angolanas subiram 31% entre maio e junho, para 698 milhões de euros, e o preço médio do barril exportado chegou pela primeira vez aos 45 dólares previstos no Orçamento Geral do Estado (OGE).

Segundo dados do Ministério das Finanças compilados hoje pela agência Lusa, Angola exportou em junho 54.064.324 barris de petróleo, um aumento de mais de dois milhões de barris face a maio, a um preço médio de 45,2 dólares, o que totaliza vendas globais de mais de 2,4 mil milhões de dólares (2,1 mil milhões de euros) num mês.

As receitas fiscais com estas vendas ascenderam a 127.091 milhões de kwanzas (698 milhões de euros), aumentando 31% face aos 96.645 milhões de kwanzas (531,2 milhões de euros) de maio, sendo junho o melhor mês do ano.

As contas do mês de junho apontam ainda que pela primeira vez em 2016 a exportação de cada barril de crude chegou à previsão de 45 dólares que o Governo angolano inscreveu no OGE deste ano.

Contudo, o Ministério das Finanças revelou já em julho que, face à forte quebra da cotação no mercado internacional durante o primeiro semestre, essa previsão, de cotação média para a exportação, foi revista em baixa, para os 41 dólares por barril em 2016.

Na origem destes dados estão números sobre a receita arrecadada com o Imposto sobre o Rendimento do Petróleo (IRP), Imposto sobre a Produção de Petróleo (IPP), Imposto sobre a Transação de Petróleo (ITP) e receitas da concessionária nacional.

Os dados constantes nestes relatórios do Ministério das Finanças resultam das declarações fiscais submetidas à Direção Nacional de Impostos pelas companhias petrolíferas, incluindo a concessionária nacional angolana, a empresa pública Sonangol.

Comparativamente com o mês de junho de 2015, Angola exportou ligeiramente mais quantidade (54.495.925 barris), mas a cotação média foi então de quase 62 dólares por barril e as receitas fiscais arrecadas chegaram então aos 152.825 milhões de kwanzas (840 milhões de euros, à taxa de câmbio atual).

Angola é atualmente o maior produtor de petróleo em África, mas vive desde o final de 2014 uma forte crise financeira, económica e cambial decorrente da quebra para metade nas receitas da exportação de petróleo.

Fonte do Ministério das Finanças confirmou na sexta-feira à Lusa que já está a trabalhar na revisão do OGE de 2016, precisamente devido à quebra nas receitas petrolíferas no primeiro semestre do ano.


Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.